05/03/2024
 
 
José Sócrates ficou perplexo com Fernanda Câncio
Em conversa com amigos e pessoas próximas, ex-primeiro-ministro mostrou-se desagradado com o que leu

José Sócrates ficou perplexo com Fernanda Câncio

Em conversa com amigos e pessoas próximas, ex-primeiro-ministro mostrou-se desagradado com o que leu Sara Matos Carlos Diogo Santos 12/05/2016 08:30

Jornalista escreveu num artigo publicado na “Visão” que desconhecia qualquer esquema que tenha sido montado por Sócrates e questionou a ética dos empréstimos de Santos Silva. Sócrates manifestou a pessoas próximas o seu desagrado e disse não entender o porquê da exposição pública.

Fernanda Câncio abriu o jogo e contou o que sabe e não sabe sobre a vida de José Sócrates e sobre o processo que o envolve, mas o ex-primeiro-ministro não gostou do que leu. O i sabe que Sócrates terá comentado com algumas pessoas próximas que não entendia a decisão da jornalista de se defender em público, mostrando-se ainda desagradado com algumas das coisas que esta escreveu. “Não estava nada agradado nem à espera daquilo”, contam.

As revelações de Câncio foram publicadas ontem na revista “Visão”, num artigo de várias páginas assinado pela própria. Ao longo do texto, garante mesmo que muitos dos esquemas investigados na Operação Marquês, como o das entregas de dinheiro vivo, lhe passaram ao lado durante anos. 

A jornalista do “Diário de Notícias” comenta também que “se fizesse ideia da relação pecuniária entre Santos Silva e Sócrates, teria feito perguntas por considerar a situação, no mínimo, eticamente reprovável”. Esta terá sido uma das declarações que mais incomodaram o ex--governante. 

Entre o seu círculo mais próximo há quem esclareça que Sócrates não só não estava à espera desta reação como não entendeu o timing escolhido. “Esta nem é uma altura em que o assunto esteja a ser alvo de notícias”, frisa uma fonte que pediu para não ser identificada, lembrando que neste momento não existe qualquer relação pessoal entre Câncio e Sócrates.

O i contactou a defesa do ex--primeiro-ministro, que preferiu não comentar o assunto: “Esta questão não tem qualquer relevância para a defesa do senhor engenheiro.”

Férias, livros e empréstimos

No texto que intitulou como “esclarecimento público”, a ex--namorada de Sócrates explica que nunca teve conhecimento de que as férias que passou com Sócrates foram, na verdade, pagas com dinheiro proveniente de contas tituladas por Santos Silva. Câncio diz ainda nunca ter visto motivos “para suspeitar de que quem [a] convidava não assumia […] a despesa”.

“Quando alguém próximo faz um convite para passar férias, não é costume perguntar se é a pessoa que convida que vai pagar ou se é outra, como quando nos convidam para jantar ou almoçar não perguntamos de onde vem o dinheiro”, continua.

Além dessa explicação, avança que nunca pediu ou recebeu quantias em dinheiro de José Sócrates, fosse a que título fosse. “É uma calúnia que publicações e o canal do Grupo Cofina, assim como o ‘SOL’, refiram ou sugiram sistematicamente que estou incluída num ‘grupo de mulheres’ que seriam ‘sustentadas’ por José Sócrates e Carlos Santos Silva.”

Quanto à casa de Paris, a jornalista assegura que também não fazia a mínima ideia de quem era o verdadeiro dono. “Foi pela ‘Sábado’ que soube ser Carlos Santos Silva o proprietário de um apartamento em Paris que José Sócrates usara. Até então estava convicta de que tal apartamento, que nunca vi e que pensava ser o segundo no qual José Sócrates teria vivido naquela cidade, tinha sido arrendado a proprietários franceses”, refere, concluindo que manifestou até a sua surpresa a José Sócrates por tal facto num telefonema “que está decerto nas escutas”.

O esquema da compra massiva de livros é outro dos pontos a que Fernanda Câncio dá alguma ênfase. A jornalista diz que foi surpreendida com as notícias que deram conta de que terá sido montado um esquema para levar o livro de José Sócrates ao top de vendas das principais livrarias e chega mesmo a dizer que não comprou nem um exemplar.

As notícias sobre SI Fernanda Câncio critica de forma muito dura as acusações que lhe foram feitas em notícias publicadas pelo “Correio da Manhã”, mas sobretudo o pedido feito por dois jornalistas daquele jornal (que são assistentes no processo) para a constituir arguida – um requerimento cuja consulta lhe foi negada: “O país saber do requerimento do ‘Correio da Manhã’ por via de quem o fez e publicitou não viola o segredo; eu conhecê-lo para me defender, já viola. Mas, porque eu, ao contrário do ‘Correio da Manhã’, respeito a verdade e, ao contrário do MP, não me refugio em fórmulas sonsas, e porque é óbvio que neste momento quem quiser tem acesso ao processo – está em todas as redações do país –, assumo que já o li.”

Diz ainda que nada do que fora invocado pelo “Correio da Manhã” e que agora conhece resulta em qualquer forte indício do seu envolvimento nos esquemas de que é acusado Sócrates.

Não sabia de nada A terminar diz-se completamente descrente na justiça, uma das razões porque decidiu escrever o artigo na “Visão”. Criticando o Ministério Público e os media (que acusa de nunca a terem procurado para uma entrevista), afirma que hoje “é natural que haja gente bem-intencionada e séria que se questiona sobre como poderia […] não saber” de tudo o que se passava. 

Garante, porém, que não é a única do círculo próximo de Sócrates a ter ficado surpreendida com tudo o que foi revelado nos últimos meses.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline