13/11/18
 
 
Forças Armadas. “O seu papel não é compreendido”, diz PR

Forças Armadas. “O seu papel não é compreendido”, diz PR

Jornal i 22/03/2016 09:10

Presidente da República defendeu, em Mafra, que é preciso dignificar as Forças Armadas

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que é preciso “dignificar, reforçar e conferir mais evidentes capacidades de afirmação às Forças Armadas”. No primeiro discurso que fez às Forças Armadas, o Presidente da República, numa cerimónia aberta ao público no Palácio Nacional da Mafra, disse que “há uma pedagogia a fazer para explicar que Forças Armadas não são reminiscências de um passado sem futuro, como não são instituição supérflua ou desnecessária”.

“Estiveram em todos os momentos essenciais da nossa História. Desenvolvem, hoje, missões da maior relevância na cena internacional. Nunca faltaram à chamada de Portugal. Merecem, pois, de todos os portugueses uma gratidão, que o desconhecimento da História ou a banalização do fundamental acabaram por embotar. Têm, por isso, razão quando sentem, de quando em vez, que o seu papel não é compreendido, não é valorizado, não é acalentado”, disse o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu ainda que as Forças Armadas “merecem” que o “poder político – todo ele, solidariamente – lhes reconheça a importância da missão que desempenham, em objetivos a prosseguir, em meios a utilizar e, até, em sensibilidade para não se esquecer delas de cada vez que tem de decidir sobre matérias que possam implicar ou sugerir depreciação do seu estatuto”.

PR visita Moçambique

O chefe de Estado vai visitar Moçambique de 3 a 7 de Maio. A visita foi anunciada por Teresa Ribeiro, secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Portugal, no final de um encontro com a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Nyeleti Mondlane. O primeiro-ministro António Costa fará também uma visita a Moçambique ainda durante este ano.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×