14/11/18
 
 
Mário Ramires 16/12/2015
Mário Ramires

opiniao@newsplex.pt

O futuro começou ontem

O i entra hoje num novo ciclo da sua vida. A Newsplex, nova empresa de comunicação social em Portugal, assume os títulos da Newshold e suas participadas, que fecham as portas depois de sete anos de investimento num projecto lusófono centrado no “Sol” (desde 2009) e no i (desde Setembro de 2014, depois de dois anos de uma parceria de gestão com o anterior accionista, o empresário Manuel Cruz).

Em nome da verdade – porque nos últimos dias foram bastas as “notícias” e comentários infundados que desinformaram os leitores –, cumpre esclarecer que o i continua, e continuará, com a mesma linha editorial que o consolidou nos últimos meses como único diário a subir vendas em banca em Portugal.

A questão fulcral para os meios de comunicação social – e particularmente da chamada imprensa escrita – no mundo global em que vivemos é a sustentabilidade. Ou, melhor, a falta dela.
A informação democratizou-se, massificou--se e tornou-se gratuita.

Ora, e há muito, os meios de informação estão assentes em estruturas de pessoal pesadas, com hierarquias obsoletas e dependentes de um infindável número de fornecedores, que consomem até ao esgotamento os cada vez mais parcos recursos da publicidade, cujo investimento global entrou em espiral decrescente com a crise económica e financeira do final da primeira década do novo milénio – agravando as consequências da inevitável quebra da procura dos jornais em papel.

Queixam-se os editores – os donos dos jornais – da internet e da roda da vida que os está a cilindrar. Mal!
Se os jornais não são sustentáveis, a culpa não é da internet – antes pelo contrário.
É, sim, de um mercado empestado de sanguessugas, que chupam os jornais até ao tutano, com a complacência/conivência dos seus principais agentes, a começar pelos próprios donos ou gestores dos jornais, quando não de alguns detentores da carteira de jornalista. Os jornais não dão dinheiro, mas dão muito a ganhar a muitos que deles se aproveitam sem para eles contribuírem com coisa alguma, que não os seus interesses ou os interesses das suas clientelas.

Na verdade, a internet é a tábua de salvação dos jornais, os quais, sem ela, estariam definitivamente condenados, porque jamais teriam a oportunidade de sobreviver num mundo concorrencial e competitivo, em que a informação é instantânea e gratuita – ou seja, exactamente ao contrário dos meios impressos, que custam dinheiro (os gratuitos não são alternativa) e demoram horas a chegar aos seus destinatários (impressão e distribuição).

Portugal tem hoje quatro canais de televisão (quatro…) com informação 24 horas por dia, a que se somam programas diários de informação de mais de uma hora em outros tantos canais generalistas e ainda mais uns tantos por cabo mais ou menos especializados. Isto para não falar das rádios, que debitam informação a toda a hora, com especial incidência nas horas ditas de ponta, alimentando a ilusão da dispensabilidade da passagem pelo quiosque da esquina e do folhear do papel, nem que seja para ler as gordas.

Como todo o bem gratuito e abundante, a informação desvaloriza-se e o desinvestimento torna-se irreversível.
E sem investimento a informação, naturalmente, perde qualidade.

Já perdeu. E é este ciclo vicioso que verdadeiramente ameaça os jornais e a nobre profissão dos jornalistas.
É por isso que a auto-regulação é inadiável. Em defesa da liberdade de informação e de expressão.

É por isso que a forma de pensar e fazer jornais tem de ser diferente. A começar pela organização e pela sustentação.
O princípio clássico era que a circulação (os jornais vendidos em banca) pagava a impressão (papel e gráfica) e a distribuição (desconto da distribuidora e comissão dos pontos de venda), e toda a estrutura de pessoal e custos operacionais eram indexados às receitas de publicidade.

Ora a Newsplex parte exactamente do princípio contrário. A circulação (deduzido o desconto da distribuidora e as comissões dos pontos de venda) paga a estrutura de pessoal (vencimentos e obrigações fiscais e sociais) e a publicidade pagará a impressão e demais custos operacionais.

Daí que o novo projecto em que o i está inserido – a Newsplex – tenha sido concebido não como forma de restruturação da Newshold e suas participadas, mas como um projecto empresarial inteiramente novo.
O i perde a edição de sábado, e o “Sol” passa a sair ao sábado.

Uma redacção única. Com duas direcções (os directores do i não deixarão de colaborar activamente como redactores principais do “Sol” e vice-versa).

O número de páginas editoriais produzidas semanalmente será o mesmo que o i já tinha com seis edições semanais, e a edição semanal do “Sol” terá as mesmas páginas que tinha, mas a revista “Tabu” é substituída pelo suplemento “BI”, que fazia parte integrante da edição de sábado do i.

Quer isto dizer que, não obstante a Newsplex ter muito menos funcionários do que a Newshold tinha, a redacção do i passa a ter mais jornalistas do que tinha. E bem mais experientes. Com muito menos chefes e muito mais redactores.
Para melhor servir/informar o leitor, que é quem nos importa.

No i, como no “Sol”, não dependeremos de mais ninguém, a não ser de si, caro leitor. Para trabalhamos diariamente, com uma informação independente e não condicionada por nada nem ninguém. E assim teremos futuro. Enquanto formos úteis. Lhe formos úteis.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×