18/11/18
 
 
Vespa asiática. Uma praga sem fim à vista que vai comprometer tudo aquilo que comemos
A  vespa asiática é muito maior do que a vespa europeia, atingindo a rainha 3,5 cm

Vespa asiática. Uma praga sem fim à vista que vai comprometer tudo aquilo que comemos

A vespa asiática é muito maior do que a vespa europeia, atingindo a rainha 3,5 cm Estela Silva/Lusa Melissa Lopes 18/11/2015 11:41

Instalou-se no norte do país em 2011 e tem ganhado terreno todos os anos. Associação de apicultores diz que combate não está a ser eficaz.

A praga de vespa asiática, que este Verão causou a morte a um homem em Vila Verde, está longe de estar erradicada e o plano de controlo não está a resultar. “Está a ser feito o possível, mas não o desejável”, afirma João Valente, da Associação de Apicultores do Norte, sublinhando que, “enquanto apicultor”, desejaria que o combate envolvesse mais e melhor “todos os organismos estatais responsáveis pelo plano de acção [a Direcção-Geral de Veterinária e Alimentação, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, as Direcções Regionais de Agricultura e Pescas, entre outros]”. 

Acrescenta ainda que “uma luta eficaz implicaria custos elevados que, neste momento, não temos”. E, por isso, o que está a ser feito em relação a esta praga não permite pensar-se que se vai erradicar a vespa asiática do território nacional. “Está-se a fazer um combate apenas para menorizar o problema”, sublinha. 

A falta de meios económicos quer na eliminação dos ninhos (que é feita à noite), quer na investigação científica que se debruce sobre novas formas de combate é outra das barreiras que os apicultores enfrentam. “Ainda sabemos muito pouco sobre esta vespa”, lamenta João Valente, que não está preocupado só com as abelhas e a produção de mel. Essa é apenas a parte visível do problema e aquela que tem consequências a curto prazo, refere. 

Se a praga continuar a evoluir desta maneira, o principal problema vai ser outro. No futuro “vai acontecer aquilo que ainda não se viu em lado nenhum”. “O grande problema é que estas vespas invasoras comem tudo o que lhes aparece à frente, tudo o que é polinizador.” Ou seja, além de atacarem as abelhas à porta das colmeias, comem todo o tipo de insectos, até os de grande porte – como o louva-a-deus –, que são essenciais ao equilíbrio ecológico e à prática da agricultura. “O que vai afectar a frutificação – tudo aquilo que nós comemos”, avisa. 

E isso não será um problema exclusivo de Portugal, mas sim de toda a Europa. “França, por exemplo, que é um país com mais meios, ainda não conseguiu encontrar uma solução para esta praga”, lembra o dirigente associativo.
João Valente alerta, por isso, para que as pessoas comuniquem a existência dos ninhos às entidades competentes. “Essa comunicação pode e deve ser feita à protecção civil, aos bombeiros, às autarquias ou até a juntas de freguesia.” Ou ainda através do site SOS-Vespa, uma plataforma “fundamental” do plano de acção, que envolve todas as entidades oficiais. Se não estiverem escondidos, esclarece ainda o apicultor, os vespeiros são fáceis de detectar: “Têm um formato de pêra, atingem um metro e meio de altura e um diâmetro também de um metro, pelo menos.” 

 Esta vespa, de origem asiática, apareceu em França em 2004, mas a sua presença só foi detectada em Espanha em 2010 e em Portugal e na Bélgica em 2011. Entretanto, também invadiu, no ano seguinte, Itália. Em Portugal é o norte do país a zona afectada por este insecto, que divide estatuto entre invasor e causador de perigo público. 

No nosso país, o balanço feito desde 2012 – altura em que entrou em acção o plano de vigilância e controlo da vespa asiática – dá conta de um aumento significativo da espécie de ano para ano. O dirigente da Associação de Apicultores do Norte diz que tem assistido no terreno a essa propagação. “Ainda hoje encontrei um ninho com um metro de diâmetro”, relata, afirmando que, embora muitos ninhos estejam a ser destruídos, isso não está a ser suficiente para erradicar a praga, que continua assim a avançar. Esta semana soube-se que chegou a Vila Real. 

De toda a zona norte, Viana do Castelo é o concelho mais afectado. Apesar de não existirem dados actualizados e globais, sabe-se que os bombeiros municipais de Viana já sinalizaram, pelo menos, 1215 ninhos de vespa asiática desde que a espécie foi detectada no concelho, em 2012, tendo sido destruídos cerca de 300 vespeiros só nos primeiros dez meses de 2015. Braga, Matosinhos, Valongo e Vila Verde são outras zonas onde as vespas asiáticas têm aumentado a sua população. 

“Deslocam-se a 30 quilómetros por ano e o número de ninhos e, consequentemente, o número de vespas vai-se propagando substancialmente em cada zona”, explica João Valente, acrescentando que se o Inverno não for muito rigoroso e se as temperaturas forem amenas, é de esperar que a multiplicação de ninhos no ano seguinte seja ainda maior. A batalha contra a vespa asiática tem uma dificuldade acrescida por ser impossível detectar todos os ninhos, “ou porque estão escondidos em árvores de folha persistente ou nos telhados de prédios altos”, explica.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×