23/9/18
 
 
Universidades do Porto e Coimbra investigam disfunção eréctil
Vão ser comparados homens com disfunção eréctil e homens sem qualquer problema de disfunção

Universidades do Porto e Coimbra investigam disfunção eréctil

Vão ser comparados homens com disfunção eréctil e homens sem qualquer problema de disfunção Shutterstock Jornal i 11/11/2015 10:16

As Universidades estão a angariar voluntários.

As Universidades do Porto e Coimbra têm em curso um novo estudo sobre a disfunção eréctil com recurso à ressonância magnética e ao sistema especial ‘eye tracking’ (registo do olhar), estando a angariar voluntários, disse hoje fonte oficial.

O estudo científico, da responsabilidade do Centro de Investigação em Sexualidade Humana da Universidade do Porto (SexLab) e do Instituto Biomédico de Investigação de Luz e Imagem da Universidade de Coimbra, tem como foco a actividade cerebral e a resposta sexual de homens com e sem disfunção eréctil, face à visualização de filmes de conteúdo sexual, durante a realização de uma ressonância magnética, explicou à Lusa Pedro Nobre, um dos coordenadores do projecto.

Os homens, com e sem disfunção eréctil, vão ser colocados dentro de uma máquina de ressonância magnética a ver filmes de conteúdo sexual e com o equipamento disponível os indivíduos vão ser avaliados na vertente da actividade cerebral através dos scanners de ressonância magnética.

Em entrevista à Lusa, Pedro Nobre sublinhou que as novidades neste estudo é que se vão comparar homens com disfunção eréctil e homens sem qualquer problema de disfunção, utilizando a ressonância magnética para comparar variantes desde as emoções às cognições, respostas genitais e o foco visual (eye tracking) em filmes de cariz sexual.

O recurso a ressonância magnética e uma medida de pressão peniana (semelhante ao equipamento que mede a pressão arterial), assim como o uso do sistema “eye tracking”, uma espécie de sensor tecnológico para saber exactamente para onde o olho está a focar, vão permitir cruzar, pela primeira vez, dados das respostas genitais, com pensamentos e emoções da pessoa, sustenta o investigador.

“Uma das grandes causas da disfunção eréctil é a distracção dos estímulos, designadamente preocupações com o corpo”, explica o investigador da Universidade do Porto, referindo que, se correr bem, o estudo estará terminado “no primeiro trimestre de 2016, imediatamente antes do verão”.

O estudo vai ter 20 homens voluntários com disfunção eréctil e outros 20 sem problemas de disfunção eréctil.

Neste momento estão assegurados "um terço" dos voluntários necessários, adiantou o especialista, acrescentando que os participantes no estudo têm de se deslocar a Coimbra e recebem 30 euros em vale de compras, para além de receberem tratamento gratuito caso o queiram.

Os voluntários devem ser homens heterossexuais entre os 18 e 50 anos sem problemas médicos ou consumo de medicação que afectem a resposta sexual, como as diabetes ou antidepressivos.

O estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, pretende contribuir para uma melhor compreensão da disfunção eréctil, avaliando os “correlatos neuronais da resposta sexual em homens com e sem disfunção eréctil”.

Os investigadores acreditam ainda que “o estudo poderá ter repercussões na consolidação de conhecimentos relacionados com a etiologia e manutenção da disfunção eréctil e suas implicações para tratamento”.

O estudo decorre com todas as garantias de privacidade e anonimato e os interessados podem inscrever-se através do correio electrónico sexlab.ibili@gmail.com.

Lusa

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×