17/11/18
 
 
Elsa Peralta. “Há a oportunidade de fazer um debate amplo e plural”
A proposta foi não trazer um desfecho mas pontos de vista diversos

Elsa Peralta. “Há a oportunidade de fazer um debate amplo e plural”

A proposta foi não trazer um desfecho mas pontos de vista diversos Antonio Pedro Santos Ana Tomás 05/11/2015 17:52

Comissária da exposição.

 

 

 

Quando começou esta investigação?

Começou há cerca de dois anos e meio e abrange os que vieram de Angola e Moçambique e os seus descendentes. Temos casos, como o do próprio Bruno Góis, em que eu estudo a família dele e ele ao mesmo tempo estuda a família dele comigo.

Quantas entrevistas realizou?

Foram 45 entrevistas gravadas, centenas de entrevistas não gravadas, que não conto, porque vou aos encontros dos retornados e converso informalmente com as pessoas. 

Como encontrou as pessoas que entrevistou?

Varia, comecei por Santarém, através do Bruno, e a partir daí foram sugerindo outros contactos. Ou com o senhor do café, que me dá a indicação de outros e de outros. É um processo bola de neve. É uma amostra de 500 mil pessoas recenseadas que foi surgindo assim.

O que procurou retratar com esta exposição?

A minha proposta com esta exposição foi sempre não trazer um desfecho, mas pontos de vista muito diversos e convidar ao debate, à audição destes trechos que foram gravados. Há agora a oportunidade de fazer, passados 40 anos, um debate público amplo e plural, acerca deste e de outros temas, como a escravatura. Comemoremos o que há para comemorar do império, faz parte da nossa história, mas tornemo-lo mais problemático. Vamos, com maturidade e cidadania, discutir esses temas.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×