22/10/20
 
 
Produtores mundiais de carne dizem que não se pode comparar salsichas a tabaco
Ministro australiano diz que estudo é uma “farsa”

Produtores mundiais de carne dizem que não se pode comparar salsichas a tabaco

Ministro australiano diz que estudo é uma “farsa” Jeff Gasin/AP Sónia Peres Pinto 28/10/2015 15:19

Consumo de carne bovina aumenta na China e no Brasil, enquanto na UE tem vindo a cair, resultado, em parte, da crise económica.

A Austrália, um dos maiores exportadores mundiais de carne, ridicularizou o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), considerando uma “farsa” sugerir que carne processada pode ser tão letal como o tabaco. “Não deve ser comparada aos cigarros e obviamente isso faz com que tudo isso seja uma farsa – comparar salsichas a cigarros”, afirmou o ministro da Agricultura australiano, Barnaby Joyce.

O responsável chamou a atenção para a necessidade de garantir uma “dieta equilibrada”, dado que é impossível para os humanos evitar todo o tipo de cancro causado por toxinas na vida moderna. 

O ministro da Agricultura disse ainda que “se tivermos em conta tudo que a Organização Mundial da Saúde afirma ser cancerígeno e tirarmos das necessidades diárias, somos capazes de voltar à caverna”, sublinhou. O certo é que os australianos estão entre os maiores consumidores de carne do mundo, mas também têm a oitava maior taxa de incidência de cancro colorrectal.

Mas as críticas não ficam por aqui. O instituto americano da carne (NAMI) considerou que o relatório da OMS constitui um “desafio ao senso comum” e acusa os responsáveis do estudo por “triturarem os dados para chegarem a um resultado específico”. E vai mais longe: “Se pegássemos na lista da Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Cancro (IARC), que funciona sob a égide da OMS, ficaria claro que o simples facto de viver na Terra seria um risco de cancro.” O NAMI acrescenta: “A ciência tem mostrado que o cancro é uma doença complexa que não é causada apenas por alguns alimentos.”

Um argumento reproduzido praticamente de forma idêntica pelos industriais europeus. “É inadequado atribuir um único factor a um risco aumentado de cancro. É um assunto muito complexo que pode depender de uma combinação de muitos outros factores.” 

Já o Brasil, o segundo maior produtor de carne bovina, alerta para os benefícios nutricionais para a saúde humana trazidos pelo consumo de carne vermelha e de outras proteínas animais. Mesmo que “o consumo excessivo de carne não deva ser promovido”, é possível “ter prazer e obter um equilíbrio nutricional” nas refeições combinando carne e legumes, afirmam os exportadores.

A verdade é que o consumo de carne tem vindo a diminuir nos últimos anos, efeito da crise económica, mas também das críticas sobre o impacto que a dieta carnívora tem sobre a saúde e o meio ambiente. Só o Brasil e a China têm registado subidas no consumo, que aumentou em 15% entre 2008 e 2014 neste país, enquanto recuou nas mesmas proporções na União Europeia. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×