22/9/17
 
 
Há novidades para quem usa lentes

Há novidades para quem usa lentes

Shutterstock Jornal i 28/10/2015 11:27

A Universidade de Vila Real anunciou hoje ter criado lentes oftálmicas que “mais rapidamente” escurecem ao sol e ficam incolores, um projecto de 246 mil euros financiado por fundos europeus.

 

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) disse que o projecto “ColorLens” decorreu entre Agosto de 2013 e Junho de 2015 e se encontra em processo de registo de patente nacional e internacional.

A UTAD é parceira neste projecto da empresa Polo, que está sediada em Vila Real, produz lentes oftálmicas e emprega 76 trabalhadores.

O objectivo da investigação foi desenvolver as “ColorLens”, designadamente “lentes oftálmicas fotocrómicas capazes de escurecer quando expostas ao sol e voltar ao estado incolor em locais não iluminados directamente pelo sol, de forma rápida e confortável”.

As lentes fotocromáticas são lentes que escurecem em função da luminosidade natural do exterior.

“Foram desenvolvidos dois protótipos de lentes que adquirem tons cinzento ou castanho quando expostas ao sol e revertem completamente ao estado incolor em apenas dois minutos, quando deixam de estar expostas à luz do sol”, explicou Paulo Coelho, docente da UTAD e investigador do centro de química da universidade de Vila Real.

Segundo o investigador, as lentes que existem no mercado, “coram em cerca de 30 segundos quando expostas ao sol, adquirindo tons cinzento ou castanho, mas na ausência de luz descoram muito lentamente levando cerca de oito minutos até se adaptarem à luz interior, o que torna o seu uso desagradável”.

Também, acrescentou, nas lentes existentes, a exposição a diferenças de temperatura, “conduz regularmente à formação de fissuras que inviabilizam o seu uso”.

As lentes desenvolvidas no laboratório da academia transmontana apresentam, segundo assegurou o investigador, “melhor adaptabilidade às condições de luminosidade e não apresentam qualquer problema ao nível de formação de fissuras”.

O produto exige uma durabilidade assegurada de dois anos, pelo que, de acordo com Paulo Coelho, estão a ser efectuados testes de envelhecimento acelerado “para garantir que a performance não se altera ao longo do período de vida da lente”.

Com um orçamento global de 246 mil euros, o projecto foi financiado em 165 mil euros pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Programa Operacional Factores de Competitividade.

O projeto de investigação e de produção do produto envolveu o teste de diversas soluções e a produção nos laboratórios do centro de química de centenas de lentes diferentes, testadas de seguida na fábrica da Polo.

A UTAD disse que as “lentes oftálmicas são um produto de alta tecnologia” sendo compostas por uma base polimérica transparente sobre a qual são colocadas diversas camadas de compostos químicos que lhe vão conferir diversas propriedades: antirrisco, antirreflexo, antiestáticas (repelem poeiras), fotocrómicas, hidrofóbicas (repelem a água) e que protegem a lente da acção destrutiva dos raios ultravioleta.

Lusa 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×