20/11/17
 
 
Comparar perigo da carne com tabaco é uma “farsa”
A Austrália é um dos maiores exportadores mundiais de carne

Comparar perigo da carne com tabaco é uma “farsa”

A Austrália é um dos maiores exportadores mundiais de carne Shutterstock Jornal i 27/10/2015 10:45

O "mais importante" a fazer é garantir uma "dieta equilibrada", assinalou  ministro da Agricultura australiano.

A Austrália, um dos maiores exportadores mundiais de carne, ridicularizou um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) que diz que a carne processada é cancerígena, considerando uma "farsa" sugerir que pode ser tão letal como o tabaco.

"Não, não deve ser comparada aos cigarros e obviamente isso faz com que tudo isso seja uma farsa - comparar salsichas a cigarros", afirmou o ministro da Agricultura australiano, Barnaby Joyce à rádio nacional.

O "mais importante" a fazer é garantir uma "dieta equilibrada", dado que é impossível para os humanos evitar todo o tipo de cancro causado por toxinas na vida moderna, assinalou.

Um estudo divulgado na segunda-feira pela Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro (IARC, na sigla em inglês) adverte que a carne processada -- como bacon, salsichas ou presunto - é cancerígena para os seres humanos e que a carne vermelha "provavelmente" também o é.

O grupo de trabalho da IARC, agência que depende da OMS, teve em consideração mais de 800 estudos que investigaram a associação de mais de uma dúzia de tipos de cancro com o consumo de carne vermelha e de carne processada em vários países e populações com diferentes dietas.

O estudo coloca a carne processada na categoria 1 dos cancerígenos, o mesmo grupo que inclui substâncias como o álcool, amianto e tabaco.

"Se pegarmos em tudo o que a Organização Mundial de Saúde afirma ser cancerígeno e tirarmos das necessidades diárias, somos capazes de voltar à caverna", sublinhou ainda o ministro australiano.

Os australianos estão entre os maiores consumidores de carne do mundo. Também têm a oitava maior taxa de incidência de cancro colo-rectal.

O relatório da IARC refere que a ingestão diária de 50 gramas de carne processada -- menos de duas fatias de bacon - aumenta em 18% a probabilidade de desenvolver cancro colo-rectal (também conhecido como cancro do intestino).

O documento foi elaborado por um grupo de trabalho composto por 22 especialistas de dez países, que foram convocados para o Programa de Monografias da IARC, organização com sede na cidade francesa de Lyon.

O grupo de trabalho considerou que existem "provas suficientes" de que a ingestão de carne processada está ligada ao cancro colo-rectal.

Lusa

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×