24/8/19
 
 
Lembra-se do doente com hepatite C que implorou tratamento no parlamento? Já está curado
Ao todo, o Infarmed indica que já foram autorizados 6.815 tratamentos

Lembra-se do doente com hepatite C que implorou tratamento no parlamento? Já está curado

Ao todo, o Infarmed indica que já foram autorizados 6.815 tratamentos Mariana Araújo 30/09/2015 14:29

José Carlos Saldanha implorou ao ministro da saúde que não o deixasse morrer, um dia depois teve resposta e após seis meses está curado.

Recorda-se de José Carlos Saldanha, o doente com hepatite C que em Fevereiro deste ano interrompeu os trabalhos da comissão parlamentar de saúde para pedir a Paulo Macedo que não o deixasse morrer?

José Carlos é agora um dos 107 portugueses que concluíram o tratamento da doença, ao abrigo de um protocolo entre o Estado português e o laboratório que produz um medicamento que está avaliado como tendo elevadas taxas de cura.

Segundo o semanário SOL, com o tratamento ao fim de quatro semanas os níveis do vírus já estão a “negativar”, mas apenas ao fim de seis meses é possível garantir que os doentes “estão curados, não havendo recidiva”.

Ao todo, o Infarmed indica que já foram autorizados 6.815 tratamentos. Dos que estão “finalizados, e após a necessária análise virológica efectuada 12 semanas depois, constatou-se que 107 doentes estavam curados e apenas dois foram reportados como não curados”.

José Carlos Saldanha fez o apelo no Parlamento a 4 de Fevereiro, juntamente com o filho, pouco tempo depois de a sua mulher ter morrido devido à mesma doença. O doente em causa implorou que não o deixassem morrer e pediu ao ministro que aceitasse comprar os medicamentos que estavam disponíveis no mercado e que lhe podiam salvar a vida.

À altura, alguns países europeus já tinham o medicamento disponível, mas o governo português continuava a recusar o preço pedido pelo laboratório Gilead – que chegava a atingir 41 mil euros por cada tratamento.

Bastou um dia para que José Carlos tivesse resposta ao apelo. No dia seguinte ao episódio em São bento, o doente recebeu um telefonema do hospital onde é seguido a informar o acesso ao medicamento.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×