8/4/20
 
 
Joana Amaral Dias. “Um golpe mediático e político que vai fazer história”
"Os efeitos eleitorais vão ser nenhuns", diz Maltez

Joana Amaral Dias. “Um golpe mediático e político que vai fazer história”

"Os efeitos eleitorais vão ser nenhuns", diz Maltez José Fernandes Jornal i 05/09/2015 17:02

P&R Adelino Maltez, politólogo

Qual é o significado político da entrevista de Joana Amaral Dias à revista “Cristina”?

É um golpe mediático e político que vai marcar o ano e até a história, como marcaram as imagens do mergulho de Marcelo no Tejo ou do exótico Cavaco Silva, que subiu a um coqueiro numa altura em que era primeiro-ministro. São imagens mediáticas que perduram no tempo e valem apenas por isso. 

Não se pode traduzir em votos?

Os efeitos eleitorais vão ser nenhuns. Este episódio tem maior alcance e exposição do que a campanha em si, até porque as redes sociais tornam tudo mais mediático. Mas os partidos pequenos estão apagados no combate político. Esta exposição contribui só para o mediatismo pessoal de Joana.

Foi a primeira mulher política a despir-se para uma revista...

Não se podem fazer discursos moralistas em relação à decisão responsável de uma pessoa que optou por se expor. É uma entrevista que tem boa nota a nível estético, que segue a linha da revista e que vai ficar na história. 

Foi uma entrevista politicamente inocente? 

A Joana nunca é inocente nas intervenções públicas que faz.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×