25/9/18
 
 
El Salvador. O país mais perigoso do mundo
Em 2014, quase 300 mil pessoas abandonaram suas casas para escapar a ameaças ou violência

El Salvador. O país mais perigoso do mundo

Em 2014, quase 300 mil pessoas abandonaram suas casas para escapar a ameaças ou violência Shutterstock Jornal i 11/08/2015 21:16

Não, o país não está declaradamente em guerra civil, mas o cenário que a reportagem feita pelo "Independent" retrata não é de todo pacífico. Não podem fugir, em segurança também não conseguem ficar e casos como o de Salomon são aos milhares.

Josue Salomon, de 18 anos, é da região rural San Miguel e não pode voltar para casa. Fugiu do país no mês passado, depois de seis membros de gangues armados terem chegado a sua casa e exigido que se juntasse aos líderes dos gangues no dia seguinte, caso contrário morria.

Salomon relatou a ameaça, mas a polícia disse que havia pouco que pudesse fazer por ele e aconselhou-o a fugir. E foi exactamente isso que decidiu fazer.

Começou por se esconder na casa da avó numa outra cidade, até que a família conseguisse juntar dinheiro suficiente para pagar a um guia que o levasse para os EUA, onde planeava pedir asilo. Salomon optou por fugir para o norte dos Estados Unidos. Mesmo assim foi apanhado no México e deportado por funcionários da imigração.

"Eu não quero deixar a minha aldeia. Sinto falta da minha família, mas se eu voltar, os gangues vão matar-me, como fizeram a outros jovens que não fizeram o que eles queriam ", disse Salomon, ao "Independent", agarrado à Bíblia, dentro da qual mantém o relatório da polícia.

Como Salomon estão milhares de outras pessoas, desesperadas que fogem da violência em El Salvador, o país mais perigoso do mundo fora de uma zona de guerra.

Há registo de 3,4 mil pessoas assassinadas nos primeiros sete meses deste ano - o período mais sangrento desde a brutal, guerra civil de 12 anos de El Salvador, que terminou em 1992 com 80 mil pessoas mortas e um milhão de deslocados.

Nos três primeiros dias de Agosto, a polícia reportou 74 mortes. Sendo que, 95 por cento dos crimes que ocorrem em El Salvador ficam sem solução. Para colocar os números numa perspectiva mais assustadora, El Salvador é quase do tamanho do País de Gales com uma população de cinco milhões.

O número de mortos é aterrador e a onda de migração clandestina forçada devido à violência também está provocar a miséria generalizada e a desintegração das comunidades.

Em 2014, quase 300 mil pessoas abandonaram suas casas para escapar a ameaças ou violência e procuraram refúgio noutras partes do país, de acordo com o Centro de Monitorização sobre o Deslocamento Interno. Ninguém sabe quantos já deixaram o país, mas no primeiro semestre de 2015 quase 24 mil adultos e crianças foram deportados de volta para El Salvador após terem sido apanhados a tentar chegar aos EUA, tal como Salomon.

As famílias fogem por temerem a sua segurança, quando se vêem incapazes de fazer os pagamentos semanais exigidos pelos gangues locais. Alguns assistem a assassinatos ou são acusados ​​de dar informações às autoridades, enquanto outros são expulsos à força das suas casas pelos criminosos. Os que têm algum dinheiro ou familiares em áreas mais seguras tentam procurar refugido dentro de El Salvador. Os restantes arriscam a perigosa jornada através do México, para chegarem aos EUA.

Dez por cento da população – cerca de 500.000 a 600.000 pessoas - estão ligados a gangues dedicados à extorsão de bens, tráfico de droga e guerras territoriais, afirmou recentemente o ministro da Defesa do país.

Mas há ainda uma crescente preocupação com as atrocidades apoiadas pelo Estado contra supostos membros de gangues. O que não ajuda à redução da violência.

Os oficiais de polícia têm mesmo ordem para disparar contra os criminosos sem medo de represálias. Só em Março deste ano, a polícia matou 140 pessoas, um terço de todas as mortes violentas desse mês.

No entanto a assistente social Veronica Reyna conta ao “Independent” que "Há um clima de medo. As pessoas têm cada vez mais medo das autoridades do que dos gangues. Há execuções extrajudiciais que não são investigadas. Além de que o governo está a incentivar abertamente as forças de segurança a matarem membros de gangues. Se isto não é uma guerra, o que é?"

Carrinhas policiais camufladas e soldados armados com metralhadoras patrulham as ruas e fazem buscas de casa em casa. Há 6 mil soldados desdobrados junto de cerca de 23 mil polícias.

O medo intensificou-se desde uma investigação levada a cabo por um site de notícias de referência em El Salvador, El Faro. A reportagem expôs as principais falhas da versão da polícia durante um tiroteio numa fazenda em Março, que deixou oito jovens mortos. Deixando assim, as forças policiais descredibilizadas.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×