20/5/19
 
 
Robinho dos Bosques no Guangzhou

Robinho dos Bosques no Guangzhou

Rui Miguel Tovar 16/07/2015 11:54

Scolari contrata segundo brasileiro: depois de gastar 14 milhões em Paulinho, chega Robinho a custo zero

Pelé ou Maradona? Buenos Aires ou São Paulo? Samba ou tango? Caipirinha ou mate? Graças a Deus (Ele, lá em cima) ou gracias a Diós (Ele, sentado no banco de suplentes)? A rivalidade entre Brasil e Argentina é secular. Mas, pelo menos, os dois países estão unidos num objectivo comum: divertir o resto do mundo com as suas expressões e maneira de ser.

Se Maradona força uma gargalhada (cínica ou verdadeira) cada vez que abre a boca, acto extensível a qualquer jogador
da albi-celeste (do menos expressivo – Messi – aos mais expansivo – Verón), o que dizer então dos brasileiros, com a
ginga do samba no corpo. Por isso o estado de espírito permanente dos brasileiro é ser moleque,mistura de irreverência e malandrice.

Nesse campeonato, Robinho é rei e senhor. Porque tem cara de garoto e jeito de moleque, sempre com a resposta na ponta da língua. No Mundial-2010, esquece-se de fazer a barba. Perguntam-lhe então se é para meter medo aos adversários. "Ki nada. Foi esquecimento. Mas, agora, sabe como é: rosto feio, futebol bonito." Há quem solte a língua de um jeito divertido. "Com o resto feio? Ou com o futebol bonito?" Em 2010, os dois. Agora, em 2015, o futebol bonito está ligeiramente desfasado dos pés de Robinho. Aquelas pedaladas na final do Brasileirão-2002, num Santos-Coritnhians, aquele mexer de pés a um ritmo alucinante sem tocar na bola, até Rogério cair, fazem parte de um passado muito longíquo.

Na última Copa América, o brasileiro sai-se mal. Como toda a selecção. Continua a ser o DJ da selecção. É ele o grande
animador do Brasil, com a tradicional batucada de pagode e samba, além de ostentar uma poderosa aparelhagem onde só entra amúsica do seu iPod: funk, dance, hip-hop, pagode e samba – para todos os gostos. Com a bola no pé é que já não. Tanto assim é que acaba o contrato com o Santos e não há ai nem ui, muito menos oi. Só se for na China.

Ah pois é, o Guangzhou Evergrande anuncia-o como reforço até final deste ano. Jogará com o número 60 nas costas e junta-se aos compatriotas Elkeson, Ricardo Goulart e Paulinho, este último contratado há 15 dias por 14 milhões de euros ao Tottenham. No banco, um homem bem conhecido de Robinho: nada mais, nada menos que Luiz Felipe Scolari. Quando assina, há um mês, o Guangzhou (tetracampeão chinês em título) é líder. Agora, é terceiro classificado a um ponto do líder Beijing Guo'an. A apresentação de Robinho está prevista para 2.ª feira, dia 20.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×