13/4/21
 
 
Festa estragada. 45 detidos, feridos e um oficial da PSP investigado

Festa estragada. 45 detidos, feridos e um oficial da PSP investigado

Francisco Seco/AP Rosa Ramos 19/05/2015 11:13

Os festejos dos adeptos do Benfica acabaram mal. Houve desacatos, detenções e feridos em Guimarães, no Porto e em Lisboa.

A IGAI e a PSP investigam agressões de oficial. 

Versões contraditórias entre adeptos e polícia, cargas policiais, furtos, dezenas de feridos e de detenções. A festa do bicampeonato do Benfica acabou mal em vários pontos do país. De tal forma que Luís Filipe Vieira já veio confessar publicamente a sua “frustração” com a maneira como decorreram os festejos.

Em Guimarães o jogo ainda nem tinha começado e já havia distúrbios nas imediações do Estádio D. Afonso Henriques. Pouco antes das 17h30 de domingo, 500 adeptos do Benfica envolveram-se em confrontos com 300 adeptos do Guimarães. Houve arremesso de garrafas e de pedras, lançamento de very lights e petardos. Pouco depois chegava o autocarro com os jogadores do Benfica – que no meio da confusão acabou com os vidros partidos.

Agressões em Guimarães A dificuldade em abandonar o recinto esteve na origem de um incidente filmado pela CMTV e que se tornou viral nas redes sociais durante o dia de ontem.

As imagens mostram um adepto do Benfica, acompanhado por dois filhos menores e pelo pai, a ser agredido à bastonada, já no exterior, por um oficial da PSP. O polícia é o comandante da esquadra de investigação criminal de Guimarães e comandou durante algum tempo a esquadra de Rio de Mouro, na Grande Lisboa.

O adepto, José Magalhães, garante ter sido agredido sem razão e contou aos jornalistas que esperou quase 45 minutos para sair do estádio. Um dos filhos, de nove anos, ficou impaciente e um grupo de adeptos deixou-o sair, com o acordo de quatro polícias. Cá fora cruzou-se com o oficial, que lhe terá perguntado por que razão abandonara o recinto. O empresário de Matosinhos ter-se-á queixado do trabalho da PSP – que considerou “mau” – e garante que foi quanto bastou para ser agredido à frente dos filhos. Acabou na esquadra e foi constituído arguido por injúrias e desobediência. 

Depois de ver as imagens, a direcção nacional da PSP decidiu abrir um inquérito à violência da detenção. E a Inspecção Geral da Administração Interna (IGAI), que fiscaliza a actividade das polícias, também já instaurou uma processo de averiguações. Entretanto foi criado um grupo no Facebook – “Punição para este polícia, queremos justiça” –, que ontem à tarde já contava com cerca de 3 mil membros. Enquanto isso, a página da PSP era inundada por centenas de comentários e críticas à actuação do polícia.

O subcomissário tem, porém, outra versão do incidente. No auto de notícia que elaborou a seguir à detenção, e a que o “Expresso” teve acesso, o oficial da PSP escreveu que alguns adeptos terão tentado sair do estádio sem autorização e que o adepto que se vê na filmagem lhe terá cuspido na cara, além de ter injuriado e ameaçado vários agentes. O auto de notícia refere também que o empresário sabia que estava a ser filmado e “tirou partido disso” para oferecer resistência. Ontem, em declarações aos jornalistas, José Magalhães negou as acusações e garantiu que vai agir judicialmente contra o oficial da polícia. “Não quero ver a situação repetida com mais ninguém”, justificou. 

Distúrbios no Marquês 

Em Lisboa a noite não foi mais tranquila e os festejos demoraram menos de uma hora até que começassem a verificar-se distúrbios. Dois grupos envolveram-se numa rixa em pleno Marquês de Pombal e a Unidade Especial de Polícia (UEP) da PSP foi obrigada a intervir, numa altura em que os adeptos arremessavam garrafas de vidro.

Dez minutos antes da uma da manhã, e pouco depois de a equipa do Benfica ter chegado ao Marquês de Pombal, a polícia de choque começou a varrer a zona. Só por volta das 4h da manhã é que os ânimos acalmaram, depois de uma série de cargas policiais e varrimentos na Avenida Fontes Pereira de Melo e no Saldanha, onde foram incendiados caixotes de lixo.

Antes já tinha havido desacatos no metro do Campo Grande. A PSP conta que, por volta das 21h45, adeptos de dois clubes – a polícia não especifica quais – se envolveram em confrontos, um caso que acabou com quatro feridos, dois polícias e dois civis. Em Lisboa a festa do Benfica terminou com a detenção de 13 pessoas por vários crimes: posse de material pirotécnico e agressões a agentes da autoridade. Registaram-se, por outro lado, queixas de 13 furtos no meio da multidão. No Porto o ambiente não foi melhor e a noite acabou com 26 pessoas na esquadra, detidas em vários pontos da cidade e por vários crimes.

Num comunicado divulgado ontem, a PSP lamentou que “os eventos festivos tenham degenerado em situações de violência que exigiram a intervenção policial para repor a ordem pública e garantir a segurança de pessoas e bens”.
 

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×