22/9/18
 
 
Fátima. Já há filas de seis horas para acender as velas no santuário
Fátima é também entendida como lugar de irradiação da luz de Deus

Fátima. Já há filas de seis horas para acender as velas no santuário

Fátima é também entendida como lugar de irradiação da luz de Deus D.R. Jornal i 12/05/2015 12:26

Na fila, crianças, jovens e adultos, portugueses e estrangeiros, transportam artigos em cera.

Dezenas de peregrinos faziam pelas 12:00 de hoje fila para acender velas no tocheiro do recinto do Santuário de Fátima, a cerca de seis horas do início da peregrinação internacional aniversária de maio ao templo.

À agência Lusa, o reitor do santuário, padre Carlos Cabecinhas, afirmou que “o gesto de acender uma vela é uma manifestação antiga em Fátima, sinal da grande devoção dos peregrinos a Nossa Senhora”.

“Verificamos que é feito como sentido de agradecimento por graça que o devoto entende atribuir à intercessão de Nossa Senhora e, tantas vezes, como gesto de súplica pela ajuda do Céu”, declarou Carlos Cabecinhas.

Por outro lado, “Fátima é também entendida como lugar de irradiação da luz de Deus através de Nossa Senhora para o mundo”, considerou o sacerdote, salientando que, “por isso, esta luz que cada peregrino acende individualmente como que se junta a este gesto universal que pretende iluminar o mundo”.

Na fila, que em vários momentos se prolonga do tocheiro – onde se veem labaredas - ao local onde se adquirem as velas, crianças, jovens e adultos, portugueses e estrangeiros, transportam artigos em cera.

Eva Faria, peregrina de Famalicão, segura nas mãos velas “pelos netos, filhos e genros”.

“É a devoção”, declarou a peregrina, de 61 anos, enquanto Cátia Aleixo, de 26 anos, oriunda de Macedo de Cavaleiros, explicou que acender velas é uma “forma de agradecer”.

Andreia Ribeiro, de 25 anos, estava também na fila, depois de uma caminhada a pé com origem em Penafiel, “para cumprir uma promessa”.

As velas que carrega são “pela família, pela família”, repete, adiantando que, ao chegar ao santuário, sente uma “sensação de alívio e do dever cumprido”, completado também ao depositar as velas.

O ano passado, entre a noite do dia 11 de maio e a tarde de dia 12, em menos de 24 horas, foram queimadas no tocheiro quase 21 toneladas de cera, revelou a instituição.

A primeira grande celebração do ano ao maior templo mariano do país começa às 18:30, na Capelinha das Aparições, e, logo depois, a imagem de Aparecida, Brasil, vai ser entronizada na escadaria norte, no Santuário de Fátima.

Hoje, um dos momentos mais aguardados é a procissão das velas, seguindo-se a missa. As cerimónias religiosas terminam na quarta-feira, com missa, bênção dos doentes e procissão do adeus.

Até segunda-feira, o serviço de peregrinos do santuário recebeu inscrições de 148 grupos de fiéis oriundos de quase 30 países, sendo os mais representados Portugal, Itália e Brasil. Deste último, marca presença uma delegação de Aparecida, do Brasil, com mais de 400 pessoas.

O cardeal arcebispo de Aparecida, Raymundo Damasceno Assis, preside à peregrinação.

Lusa

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×