24/9/20
 
 
A história do professor universitário mais odiado de Portugal

A história do professor universitário mais odiado de Portugal

Pedro Rainho 05/05/2015 11:00

Duarte Marques citou-o e Francisco Louçã foi ao arquivo buscar as pérolas do professor. Racista, liberal e “indignado” com a “miséria” de milhões que atravessam o Mediterrâneo

Abjecto, imoral, ignorante. Pedro Cosme Vieira é o alvo. Tractor, contentor de betume, racista (os epítetos chegam a ser criativos mas, este último, o professor universitário até encaixa). Esta semana entrou directamente para os primeiros lugares da lista de personalidades contra as quais o povo destila o seu ódio. E nem foi por iniciativa própria. Bastou uma referência ao seu nome por parte do deputado Duarte Marques (PSD), num artigo de opinião, e, a seguir, a resposta de Francisco Louçã com o “cadastro” de Cosme Vieira. O mundo ficava a conhecer quem é e o que pensa o professor da Faculdade de Economia do Porto

Os qualificativos passam-lhe ao lado. “Não me incomodam nada porque, de facto, essa adjectivações não são sobre mim enquanto pessoa, mas apenas enquanto personagem de um mundo virtual. Quando eu vou à farmácia, ao supermercado, ao café, ou caminhar à beira mar, nesses mundos não existe qualquer ligação com a minha personagem enquanto bloguista”, refere, em declarações ao i. Pedro_Cosme Vieira é, antes do mais, um homem pragmático – há quem prefira outros termos, mas isso já ficou claro. “Para aumentar o número de contribuintes [em Portugal], é preciso desviar os barcos com pretalhada que atravessam o Mediterrâneo para o Algarve.” Ou então esta: “Para diminuir o número de pensionistas, é preciso matá-las.” (sic)

Foram ideias expressas neste registo e publicadas no blogue de Pedro Cosme Vieira (“Económico-financeiro”) que chamaram a atenção de Louçã. O professor universitário estava preparado para o ataque, há muito que o esperava. “Mostrando eu no meu blog com números e factos que o denominado outro caminho’ anunciado pelos pensadores de esquerda é um embuste, uma história para adormecer criancinhas, sem qualquer viabilidade prática, não lhes sobraria mais do que atacar o meu carácter.” Quando recorreu ao termo “pretalhada” para se referir aos cidadãos africanos que atravessam o mar Mediterrâneo para fugir à morte certa nos países de origem, limitou-se a dar o mote para que o veio a acontecer na última semana.

Mera “estratégia” de comunicação, assume o professor universitário. “Não interessa chamar a um pobre ‘Ex.mo Sr. Pobre e Desgraçado’ para, depois, o mandar embora sem esmola.” A dada altura, defendeu o abate a tiro, um a um, dos migrantes que, por acaso, conseguissem sobreviver ao plano A: abalroar as suas embarcações de borracha com os barcos das autoridades marítimas europeias. Noutra passagem, também já se referiu a uns como “alienígenas que chegaram de barco” à Europa e a outros como os “milhares de amarelados” que procuram a paz europeia vindos do Paquistão e do Afeganistão.

Em qualquer dos momentos, diz Pedro_Cosme Vieira, tentava apenas destacar-se – era “uma forma de gritar no meio da multidão dos blogs”. Era, ao mesmo tempo, um “grito de indignação”, uma convocatória para a passagem à prática ou, pelo menos, para que quem se refere à situação daquelas pessoas apresentasse uma “solução minimamente credível” para os milhões que “levam vidas de extrema miséria”. Os fins justificam os meios?

O professor universitário é uma personagem singular. Com os seus “gritos” opinativos, conseguiu entrar na efémera onda mediática. Ao mesmo tempo, assume-se como um excluído social. Telemóveis, não usa. “Telefonar, receber telefonemas ou cartas e falar com pessoas causa-me mal estar.” (sic) Sensação complicada de gerir para quem passou os últimos 20 anos a dar aulas na universidade.

Ainda que na terra natal, o_Porto, a imagem que os conterrâneos têm dele seja ligeiramente diferente. “Na aldeia onde vivi desde que me lembro até ir estudar para a universidade, não sabem que eu sou professor universitário, pensam que eu não tenho emprego e que vivo à custa da reforma da minha mãe.”

A aversão ao contacto social é também uma espécie de fobia estranha de compreender depois de, já este ano, ter concorrido à direcção do Conselho Pedagógica da Faculdade de Economia (o resultado não foi bom: zero votos). “Deve ser uma doença qualquer”, arrisca. Afinal, Pedro_Cosme Vieira é apenas um liberal que, aos 49 anos, já votou no CDS, no PSD e no PS. A internet é o seu palco.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×