7/7/20
 
 
Augusto Santos Silva. Acusações da Venezuela contra Governo português não fazem "nenhum sentido"

Augusto Santos Silva. Acusações da Venezuela contra Governo português não fazem "nenhum sentido"

jornal i 14/02/2020 09:22

Esta quinta-feira, a Venezuela acusou a TAP de transportar explosivos e o embaixador de Portugal em Caracas, Carlos de Sousa Amaro de interferir em assuntos internos da Venezuela ao interceder pelo tio de Juan Guaidó. 

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta sexta-feira que as acusações das autoridades venezuelanas ao Governo português “não faz nenhum sentido”, em declarações à agência Lusa. 

Esta quinta-feira, a Venezuela acusou a TAP de "violar padrões internacionais" e de transportar explosivos, no voo de terça-feira, onde seguiam Juan Guaidó e o tio.

Segundo as autoridades internacionais a companhia aérea portuguesa ocultou a identidade de Juan Guaidó, líder da oposição, no voo para Caracas. Além disso, de acordo com as mesmas, o tio de Guaidó transportou consigo "lanternas de bolso táticas" com "substâncias químicas explosivas no compartimento da bateria" durante o voo. 

 O governo de Maduro acusa ainda  o embaixador de Portugal em Caracas, Carlos de Sousa Amaro de interferir em assuntos internos da Venezuela ao interceder pelo tio de Juan Guaidó. 

"Quanto à acusação que foi dirigida pelo presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela [Diosdado Cabello] ao Governo português e ao embaixador português, ela não faz nenhum sentido. O Governo português, nem por ação nem por omissão, contribui na Venezuela para qualquer outra coisa que não seja facilitar o diálogo político entre as forças que se digladiam na Venezuela", reagiu o ministro dos Negócios Estrangeiros.

"São afirmações de uma pessoa. Julgo que os factos são evidentes e, portanto, devemos todos considerar-nos esclarecidos. O embaixador de Portugal na Venezuela age por instruções do Governo português e em conformidade absoluta com o dispõe o direito internacional. Portanto, espero que este pequeno incidente seja rapidamente ultrapassado", afirmou.

"Fazemos isso porque temos centenas de milhar de portugueses que vivem na Venezuela e cujo bem-estar e cuja saúde são a nossa preocupação maior e o nosso objetivo maior. E também porque na Venezuela vive cerca de um milhão de cidadãos que também tem nacionalidade europeia e, portanto, é para a União Europeia e para Portugal com ela uma matéria de segurança muito importante", disse, salientando a "crise humanitária" vivida na Venezuela.

Apesar de a TAP já ter lançado um comunicado sobre a situação, Augusto Santos Silva garante que as autoridades portuguesas "averiguarão se houve ou não alguma falha de segurança no transporte, na companhia aérea".

 

 

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×