15/10/19
 
 
CGD “nunca teve qualquer intervenção nas guerras do BCP”

CGD “nunca teve qualquer intervenção nas guerras do BCP”

Bruno Gonçalves Joana Marques Alves 14/06/2019 16:28

Vara explicou que uma das primeiras decisões da sua administração foi sair da carteira de ações do BCP: “Não víamos vantagem em ter participação daquela dimensão num concorrente”.

Armando Vara afirmou esta sexta-feira que a Caixa Geral de Depósitos (CGD), da qual foi administrador durante dois anos, nada teve a ver com a guerra interna no Banco Comercial Português (BCP).

Vara explicou que uma das primeiras decisões da sua administração foi sair da carteira de ações do BCP: “Não víamos vantagem em ter participação daquela dimensão num concorrente”, explicou na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa. 

Paulo Teixeira Pinto terá dito a Vara que aquela não era a melhor altura para a CGD sair do BCP, pois a sua posição enquanto acionista ajudava-os a protegerem-se contra possíveis ofertas públicas de aquisição (OPA). “Pediu que mantivéssemos pelo menos 1%”, explicou o ex-administrador. Vara diz que quando saiu da Caixa, o banco público tinha menos de 5%, garantindo que a CGD “nunca teve qualquer intervenção nas guerras do BCP”.

Recorde-se que Armando Vara e Carlos Santos Ferreira saíram diretamente da Caixa Geral de Depósitos para a liderança do BCP, em 2008. Vara garante que foi convidado por Santos Ferreira para integrar os altos quadros do banco privado apenas no final de 2007.

O ex-administrador da Caixa afirmou ainda que, se fosse hoje, ninguém teria aprovado operações como a concessão de crédito para compra de ações do BCP: “Se nós tivéssemos imaginado que algum daqueles créditos não iria ser honrado, não tínhamos concedido. O que aconteceu é que houve uma crise na finança internacional a que Portugal não podia ficar imune”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×