20/4/19
 
 
Direito de Resposta

Direito de Resposta

17/04/2019 11:50

No artigo assinado por Carlos Carreiras, intitulado "O negócio da ignorância", publicado no passado dia 10 de abril, são feitas referências injuriosas e difamantes aos líderes do Movimento SOS Quinta dos Ingleses.

Nessas referências - indiretas - o Presidente da Câmara Municipal de Cascais acusa os membros deste Movimento de não nutrirem "nenhum apego pela democracia nem nenhuma paixão pela liberdade"; de ter como "único objetivo" "denegrir adversários políticos e criar dúvida na opinião pública tentando, com a mentira e a calúnia, fragilizar as instituições democráticas e os seus representantes."; que os mesmos caluniam e destroem e não pretendem "dialogar" e "construir.". Mais afirma que este Movimento seria "Liderado por um militante de um suposto partido chamado Juntos Pelo Povo (que tem as suas origens na Madeira) e pela central de abaixo-assinados do PCP". Acusa os mesmos de "má-fé", de serem "putativos agitadores", de "incompetência" e afirma que "quem tanto orquestra manifestações contra o atual plano só pode ter muito interesse no projeto original.", estando "ao serviço de uma das outras soluções, menos consentâneas com o interesse público.", concluindo que "Na Quinta dos Ingleses (...) os novos demagogos fazem deliberadamente a única coisa que verdadeiramente lhes interessa: disseminar a ignorância e a dúvida."

Tais afirmações são absolutamente injuriosas e constituem uma calúnia, que afeta enormemente a honra e o bom nome dos líderes do Movimento SOS Quinta dos Ingleses, que não deixarão de exigir a reparação dessas violações da sua honra e bom nome.

Os líderes deste Movimento querem deixar claro que:

não têm qualquer filiação ou militância partidária, facto que o Presidente da Câmara de Cascais bem conhece. Mesmo que tivessem (e, repete-se, não têm), não se vê em que medida daí poderiam advir as injúrias e difamações contra os mesmos proferidas.

não têm qualquer interesse (económico ou outro) no "projeto original" para a Quinta dos Ingleses.

não mentem, nem caluniam, não semeiam a ignorância e a dúvida, limitando-se a exprimir livremente as suas opiniões sem ferir nunca a honra e o bom nome de ninguém.

- procuram apenas defender aquilo que entendem ser o interesse público e de proteção das questões ambientais que o projeto apoiado pela CMC põe em risco, violando todos os alertas e pondo em causa compromissos ambientais internacionais.

Que um Presidente da Câmara recorra, pois, à injúria e difamação como arma política contra quem discorda das suas opiniões, é um facto lamentável que denota um conceito de democracia muito pouco saudável e contrário ao consagrado na Constituição da República Portuguesa."

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×