25/9/18
 
 
Crédito habitação. Mesmo com travão bancos emprestaram 919 milhões de euros

Crédito habitação. Mesmo com travão bancos emprestaram 919 milhões de euros

Sónia Peres Pinto 11/09/2018 13:44

Travão ao crédito entrou em vigor em julho, mas os montantes concedidos são os segundos mais altos do ano.  

O montante concedido pelos bancos para a compra de casa rondou os 919 milhões de euros em julho, o segundo valor mais elevado deste ano. Os dados foram revelados pelo Banco de Portugal e já coincidem com a entrada em vigor das recomendações do regulador. No mês anterior, já na antecipação das novas regras, foram concedidos 990 milhões de euros, o valor mais elevado desde junho de 2010. Nos meses anteriores, o montante emprestado tinha variado entre os 634 milhões e os 876 milhões de euros mensais.

O aumento da concessão do crédito à habitação tem vindo a soar alarmes junto da entidade liderada por Carlos Costa. Por isso, a partir de julho, as instituições financeiras foram recomendadas a atribuir novos créditos apenas a clientes que gastem até 50% do seu rendimento líquido com as prestações mensais de todos os empréstimos detidos (habitação e consumo). Ainda assim, admite que os bancos possam ultrapassar este limite de taxa de esforço até 5% do montante total de créditos concedidos por ano e assumir uma taxa de esforço de 60% do cliente até um quinto do montante total de créditos concedidos nesse ano.

O regulador sugeriu também que os bancos tenham em consideração, entre outras questões, uma subida das taxas de juro de três pontos percentuais no cálculo da chamada taxa de esforço, para “evitar que a subida esperada da Euribor coloque o empréstimo num patamar de risco excessivo, podendo conduzir ao incumprimento no crédito”.

No que diz respeito ao rácio entre o montante do empréstimo e o valor do imóvel dado em garantia, o banco central recomenda um limite de 90% para créditos para habitação própria e permanente e de 80% para créditos com outras finalidades que não habitação própria e permanente. 

Em relação à maturidade original dos empréstimos, o limite é de 40 anos nos contratos de crédito à habitação e crédito com garantia hipotecária ou equivalente, e convergência gradual para uma maturidade média de 30 anos até final de 2022, e de dez anos nos contratos de crédito ao consumo.

Nos meses anteriores, o montante emprestado variou entre os 634 milhões de euros e os 876 milhões de euros mensais.
No acumulado dos primeiros sete meses do ano, o valor do novo crédito à habitação ultrapassou os cinco mil milhões de euros, mais 26,4% do que no mesmo período do ano anterior. Um montante que renova máximos de 2010. Já o saldo na carteira dos bancos rondou os 93 milhões de euros. 

Consumo

Em relação ao crédito ao consumo, que também está incluído nas recomendações do supervisor, foram emprestados 387 milhões de euros, em julho. Um montante que ficou abaixo dos 419 milhões de euros concedidos um mês antes. No acumulado dos primeiros sete meses do ano, as novas operações ultrapassaram os três mil milhões de euros, mais 17,6% do que no período homólogo.

Já as novas operações de créditos para outros fins ascenderam a 143 milhões de euros, ligeiramente acima dos 146 milhões de euros emprestados no mês anterior. No acumulado dos primeiros sete meses do ano, o montante concedido ultrapassa os mil milhões de euros, ainda assim, fica abaixo dos 1154 milhões de euros emprestados nos primeiros sete meses do ano passado.

No caso das empresas, foram concedidos mais de três mil milhões de euros, acima dos 2662 milhões de euros emprestados no mês anterior. S.P.P.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×