22/9/18
 
 
Alemanha. As Facas Longas voltaram num governo dividido

Alemanha. As Facas Longas voltaram num governo dividido

AFP Ricardo Cabral Fernandes 02/07/2018 20:07

A tensão entre a chanceler Angela Merkel e o seu ministro do Interior, Horst Seehofer, atingiu o seu climax este domingo

O governo alemão da chanceler Angela Merkel vive uma crise política interna sem precedentes. Sem ainda ter alcançado os 100 dias de governação, a coligação CDU, SPD e CSU de Merkel encontra-se em risco. Insatisfeito com o acordo alcançado na cimeira europeia deste domingo, Horst Seehofer, ministro do Interior de Merkel e líder da CSU da Baviera, ameaçou demitir-se dos dois cargos que ocupa. A tensão entre os históricos parceiros é tão elevada que vários comentadores alemães, referidos pelo “Guardian”, caraterizaram a noite de domingo como a nova “Noite das Facas Longas”.

A crise, que se arrasta há semanas, tem enfraquecido a liderança de Merkel, dificultando-lhe as negociações no plano europeu. Numa última tentativa de reconciliação, Merkel e Horst encontraram-se ontem para tentarem encontrar uma solução de compromisso que até ao momento foi impossível de alcançar. “Vamos ter mais conversações hoje [ontem] com a CDU, em Berlim, com a esperança de que consigamos chegar a um acordo”, anunciou na madrugada de ontem o ministro alemão. “Depois, logo veremos”. 

Seehofer exige à sua parceira de coligação que os requerentes de asilo que entrem na Alemanha sejam recusados e deportados para os seus países de origem, enquanto Merkel recusa avançar com uma solução uniletaral para a migração por recear abrir um precedente na Europa. 

A líder do SPD, Andrea Nahles, criticou a irresponsabilidade dos dois partidos seus parceiros de governo e acusou a CSU de Seehofer de embarcar numa “perigosa viagem de egos que coloca em risco paralisar a Alemanha e Europa”. 

A demissão de Seehofer - sem colocar em causa a coligação - poderia aliviar a pressão interna sobre Merkel, explica o “Guardian”, mas não se pode descartar a possibilidade deste ser substituído por alguém da CSU com posições semelhantes. Nesse caso, a histórica aliança CDU-CSU, que remonta a 1949, ano da fundação da antiga República Federal da Alemanha, poderá estar em risco. 

Se, ao regressar de Bruxelas, Merkel pressupôs que a revolta de Seehofer estaria ultrapassada, rapidamente constatou que não era bem assim. Segundo o “Die Wel”, Seehofer não hesitou, numa entrevista televisiva, a criticar o acordo alcançado entre as lideranças europeias ao afirmar que não é mais que as propostas defendidas pela CSU nos últimos meses. 

A principal conclusão da cimeira europeia sobre a migração é a criação de plataformas regionais de desembarque e a instalação de “centros controlados” - sob base voluntária dos Estados-membros -, onde os refugiados e migrantes permancerão enquanto esperam por resposta aos seus pedidos de asilo. Além do novo termo e dos seus objetivos genéricos, falta ainda definir o que serão em concreto os “centros controlados”, tema que poderá acentuar as divisões entre os Estados-membros. 

Para tranquilizar os Estados-membros com fronteiras mediterrânicas, como Itália e Grécia, mas também os que integram as rotas de passagem a Leste, como a Hungria, pode ler-se no documento que quem chegar a Itália estará a chegar à “Europa”. Uma pequena mudança de palavras que representa não menos que uma promessa de revisão do Regulamento de Dublin, que define que os refugiados e migrantes que cheguem a um Estado-membro devem ver os seus pedidos de asilo respondidos por esse Estado-membro. O Regulamento fez com que Itália, Grécia, Malta e os países do grupo de Visegrado - Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia - ficassem sob enormes pressões populacionais, originando críticas de abandono. Com a palavra “Europa”, as responsabilidades em torno da migração serão partilhadas. Pelo menos é essa a promessa europeia. 

Desde sempre que Seehofer não vê a migração em direção à Europa, mas principalmente para a Alemanha, com bons olhos. Desde que a chanceler avançou, em 2015, com a política de portas abertas que a Baviera tem sido o principal ponto de entrada da migração no país, impulsionando o crescimento do partido populista e de extrema-direita Alternativa para a Alemanha. 

A forte oposição de Seehofer à política de Merkel é motivada pelo receio de perder eleitorado para o AfD, fundado em 2013 e que entrou pela primeira vez no Bundestag, em 2017, com 94 deputados. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×