25/9/18
 
 
Póvoa de Varzim proíbe touradas e PróToiro avança com processo

Póvoa de Varzim proíbe touradas e PróToiro avança com processo

António Pedro Santos Jornal i 21/06/2018 12:45

A Câmara de Póvoa de Varzim declarou-se um concelho "antitouradas" e pretende transformar a Praça de Touros num multiúsos

Depois da Câmara de Póvoa de Varzim ter decidido proibir as touradas no concelho, a PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia anunciou que vai avançar com uma queixa em tribunal contra o executivo de Aires Pereira.

Esta associação considera que a decisão tomada é “um ataque feroz à legislação, principalmente à Constituição da República Portuguesa”, onde está escrito, citando o decreto de lei nº 89/2014, que a “tauromaquia é, nas suas diversas manifestações, parte integrante do património da cultura popular portuguesa”.

Em comunicado, a PróToiro garante que “é a lei que reconhece a tauromaquia enquanto manifestação cultural, pelo que o Estado está obrigado a promover e assegurar o acesso dos seus cidadãos à tauromaquia” e, por isso, “nem os municípios, nem nenhum outro órgão tem poderes para proibir a cultura, a não ser que vivêssemos numa ditadura”.

“A lei é clara e, nos termos da constituição da República Portuguesa, as touradas devem ser protegidas. O Estado deve garantir o acesso de todos os cidadãos – se estes assim o quiserem – à cultura, neste caso às touradas”, reclama ainda a federação.

Póvoa de Varzim declarou-se, por unanimidade, um concelho “antitouradas”. Já na semana passada o presidente da Câmara, Aires Pereira, tinha anunciado que a Praça de Touros iria ser transformada num multiúsos, mas só esta terça-feira é que a proposta para proibir corridas de touros ou espectáculos “que envolvam violência sobre animais” foi aprovada em reunião de Câmara.

Trata-se de um “corte inevitável com uma tradição que, tendo feito o seu caminho e prosseguido o seu objetivo, não tem, nos nossos dias, razão de ser”, afirma o município numa nota enviada às redacções.

“Há uma outra sensibilidade em relação às touradas, as novas gerações olham-nas de forma diferente, este ano já não se fizeram garraiadas nas festas académicas e a câmara decidiu dar um novo uso àquela praça”, referiu Aires Pereira.

A decisão será levada à Assembleia Municipal a 12 de julho, “a quem cabe a última palavra sobre o assunto”, disse o presidente à Lusa. Sobre o processo da PróToiro, o autarca disse estar “tranquilo” e que irá “naturalmente” aceitar qualquer decisão do tribunal.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×