22/9/18
 
 
Caça à baleia sem perturbação

Caça à baleia sem perturbação

Magalhães Afonso 29/08/2017 17:09

A Pastor dos Mares (Sea Shepherd) vai acabar com a sua campanha anual de perturbação da caça à baleia no Japão. O grupo ativista diz estar sem condições para competir com o poder económico e militar nipónico. 

Há 12 anos que a organização trava uma violenta batalha em alto mar contra a caça à baleia nos mares do sul e reclama a salvação de milhares de mamíferos bem como ter trazido esta prática à atenção do mundo.

Mas o fundador do grupo revelou que os navios, que normalmente navegam a partir da Austrália, este ano ficam nos portos, e que são necessárias táticas e estratégias diferentes para impedir a caça.

“Descobrimos que o Japão está usar vigilância militar, por satélite, para saber onde estão os barcos da Sea Shepherd em tempo real, o que torna fácil evitar-nos”, diz Paul Watson em comunicado citado pela agência AFP.

O responsável diz ainda que Tóquio, pela primeira vez, tem também planos para usar este ano as forças armadas para defender os baleeiros. “A decisão que temos de tomar é gastarmos os nossos recursos limitados numa outra campanha nos mares do sul com a qual temos poucas hipóteses de intervir com sucesso ou se reagrupar com diferentes estratégias e tácticas”, considera Paul Watson.

O responsável criticou ainda os EUA, Austrália e nova Zelândia por não fazerem o suficiente para ajudar, apontando que Camberra “mina a capacidade da Sea Shepherd  conseguir angariar fundos recusando-lhe o estatuto de organização de caridade”.

O Japão já tinha tentado terminar com as campanhas de caça à baleia, alegando que os ativistas da Sea Shepherd abalroam os seus barcos, prendem as hélices com cordas e atiram tinta e bombas de mau cheiro às tripulações.

Por seu lado, os ativistas dizem ser atacados com granadas de atordoamento e que os seus barcos eram sabotados.

Um responsável do ministério das pescas do Japão disse que as autoridades estavam ao corrente do anúncio da Sea Shepherd, mas que ainda é cedo para dizer para saber se a campanha vai mesmo acabar. “Há ainda outros grupos contra a caça à baleia que nos podem incomodar. Vamos continuar a acompanhar a situação de forma atenta”, acrescenta.

O Japão assinou a moratória da caça à baleia que entrou em vigor em 1986 mas explora o facto de esta permitir a caça com “objetivos científicos”. Mas ao mesmo tempo não esconde que muitas vezes as baleias acabam por ser servidas às refeições.

Em 2014-2015 Tóquio teve de suspender a caça depois do Tribunal Internacional de Justiça sentenciado que as expedições à Antártida eram caça mascarrada de investigação científica. Retomou no final de 2015 com uma meta inferior, mas ainda assim terminou o ano com mais de 300 baleias-anãs caçadas.

Há séculos que os japoneses caçam baleias e a carne destas era uma fonte fundamental de proteínas nos anos pós II Guerra Mundial, quando o país era muito pobre.

Mas o consumo tem reduzido nas últimas décadas, com cada vez mais japoneses a dizerem que nunca ou raramente comem carne de baleia.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×