25/5/17
 
 
Superior. “Há professores doutorados do privado a passar fome”

Superior. “Há professores doutorados do privado a passar fome”

João Girão Ana Petronilho 12/01/2017 07:52

Há várias instituições privadas a pagar cinco euros/hora a professores doutorados, denuncia o Sindicato Nacional do Ensino Superior

O ensino superior privado está em “completa degradação” por dificuldades financeiras. E isso espelha-se nas condições de trabalho “precárias” de 80% dos professores que dão aulas nas universidades e politécnicos privados, que recebem como salário cinco euros por hora. Este é um cenário que não é exclusivo das instituições privadas.

Gonçalo Velho, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup), contraria o ministro Manuel Heitor e diz que não é nada normal que haja professores convidados sem remuneração. “O ministro ou está mal informado ou não sabe do que fala.” 

Qual é a situação das universidades privadas?

O que temos visto é uma completa degradação. 

Foram envolvidos no levantamento da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) sobre a situação das instituições privadas?

Não. E víamos com bom grado o levantamento da DGES se fosse acompanhado pelo escrutínio da degradação das condições de trabalho. O mais grave foi a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) não ter feito um grande escrutínio do vínculo dos professores que estão nas instituições. A legislação afirma que tem de haver um corpo docente próprio, o que implica que os professores estejam contratados com contratos sem termo. Se a A3ES fiscalizou o corpo docente, como é que podemos assistir a uma taxa de precariedade altíssima? 

Leia mais no edição impressa do jornal i 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×