21/8/17
 
 
Pedro Braz Teixeira 14/11/2015
Pedro Braz Teixeira

opiniao@newsplex.pt

Estes acordos não são suficientes

Um governo de esquerda tem de garantir que não nos leva de volta para a troika

Na noite das eleições, António Costa tinha prometido que respeitaria os resultados eleitorais e que não formaria uma coligação negativa. No entanto, faltou – mais uma vez – à sua palavra, como faria posteriormente várias vezes, nomeadamente ao dizer ao PR que tinha uma alternativa de esquerda, quando se tornou evidente que demorou mais de um mês até conseguir algo que só pode ser considerado como “poucochinho”.

O PS não conseguiu que o BE, o PCP ou o PEV integrassem um eventual governo de esquerda; não conseguiu chegar a um acordo “da” esquerda, mas três acordos diferentes; não conseguiu que estes textos tivessem conteúdos essenciais, como o cumprimento do Tratado Orçamental, do qual está dependente o nosso financiamento; não conseguiu unir as esquerdas, que parece que não conseguem reunir-se na mesma sala nem bater palmas uns aos outros.

O resultado alcançado por Costa nestas negociações é muito menos que “poucochinho”, é completamente insuficiente. Será incompreensível que o PR o nomeie primeiro-ministro com base em acordos tão pífios. É imprescindível que Cavaco Silva exija do PS compromissos muito mais substantivos do que os alcançados até agora.
Os mais ferrenhos militantes partidários poderão ver aí um obstáculo do Presidente da direita a um governo de esquerda, o que até poderá ser, mas nem de longe nem de perto se esgota aí.

A situação nacional é de convalescença, mas os riscos de recaída ainda são substanciais e as promessas constantes nos acordos de esquerda têm todas as condições para acelerar uma recaída e mesmo um novo resgate financeiro.

O nosso crescimento económico ainda é débil e só taxas de juro excepcionalmente baixas é que permitem a sustentabilidade da nossa dívida pública. A nossa fragilidade é tal que as principais agências de rating ainda nos atribuem a notação de “lixo”, dependendo o nosso financiamento junto do BCE de um única agência de rating, a canadiana DBRS, por agora acalmada pelo PS. Não é necessário fazermos muitas asneiras; basta uma fracção das promessas dos acordos de esquerda para a nossa situação se complicar extraordinariamente.

Parece ser do mais elementar bom senso que o PR exija garantias claras de que todo o esforço e sacrifício de aplicação do programa da troika não vá pelo cano em poucos meses. 

Um provável falhanço das negociações à esquerda poderá levar o PR a voltar a nomear Passos Coelho como primeiro-ministro, desta vez com a incumbência de encontrar apoio parlamentar maioritário. Nessa altura, após um total falhanço de António Costa, este partido poderá querer mudar de líder, mas talvez não haja oportunidade de o fazer de forma atempada. 

A incapacidade de construir uma alternativa de esquerda deve produzir nestes partidos um grande medo de eleições antecipadas. Dentro destes, quem tem razão para ter mais medo é o BE, por ter o eleitorado mais volátil.

Esta poderá ser uma razão adicional para o cenário em que já aqui falei, uma coligação entre a PàF e o BE. O Bloco tem vindo a fazer um percurso do idealismo para o pragmatismo e é provável que o fracasso de formar um executivo à esquerda também ajude nesta evolução, levando-os a perceber que um pequeno partido terá sempre de ceder, se quiser participar numa solução governativa.

Outra alternativa seria, de novo, um governo apenas da PàF até ser possível marcar eleições legislativas antecipadas. Se a esquerda não consegue formar governo, então que deixe a direita governar alguns meses, até ser possível dar de novo a palavra aos eleitores, com muito maior clareza sobre quais são os possíveis cenários pós-eleitorais.
 
Economista
Escreve ao sábado

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×