26/11/20
 
 
Braço-de-ferro. Marcas tradicionais vs. digitais

Braço-de-ferro. Marcas tradicionais vs. digitais

Catarina Correia Rocha 05/11/2015 15:27

Três das mais "famosas" batalhas entre marcas.

Uber vs. táxis

Em Portugal, a guerra entre a Uber – uma aplicação que permite chamar um motorista particular – e os taxistas teve o seu auge em Setembro, quando milhares de profissionais saíram à rua em Lisboa, Porto e Faro numa marcha lenta em protesto contra a aplicação, por esta alegadamente operar ilegalmente e estar a fazer concorrência desleal. Em Abril já o tribunal tinha aceitado uma providência cautelar interposta pela Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros – proibindo a actividade da Uber Technologies Inc. no nosso país. A Uber foi criada em 2010, nos Estados Unidos, por Garett Camp e Travis Kalanick. Está presente em mais de 60 países, num total de 342 cidades, segundo dados da empresa em Outubro deste ano.

Spotify vs. editoras

Segundo as editoras ou a Apple Music, o Spotify é uma das causas para tanto as lojas físicas como os serviços de download pagos terem visto os seus lucros diminuir. Segundo contou ao “Financial Times” Lucian Graing, CEO da Universal Music, a batalha da editora passa neste momento por impor ao Spotify mais limites aos serviços que oferece, condição que quer apresentar na próxima renegociação do contrato com a plataforma de streaming. Taylor Swift foi das primeiras artistas a exigirem que as suas músicas fossem retiradas do Spotify, por estar contra o modelo de negócio. Estima-se que cerca de 60 milhões de pessoas usem o Spotify em todo o mundo, das quais 15 milhões pagam para não ouvir publicidade entre as canções. 

Airbnb vs. hotéis

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) já acusou o Airbnb de promover concorrência desleal, mas esta é apenas uma das questões com que a plataforma tem de lidar a nível mundial. Em 2013, a guerra aterrou em Nova Iorque, onde chegou mesmo a ser proibido o aluguer de habitações pelo Airbnb. Em causa estava uma lei que determina que não se pode alugar um imóvel por um prazo inferior a 29 dias. A plataforma recorreu da decisão, afirmando que a tecnologia está a criar novos modelos de negócio. A Airbnb, plataforma criada em 2008 por Brian Chesky, Joe Gebbia e Nathan Blecharczyktem, está presente em mais de 190 países. O actor Ashton Kutcher é um dos investidores.

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×