15/10/19
 
 
Marta Rebelo 'emociona' Internet com partilha sobre a sua dor

Marta Rebelo 'emociona' Internet com partilha sobre a sua dor

Facebook Jornal i 02/11/2015 18:11

Marta Rebelo perdeu o seu gato e escreveu uma carta para mostrar que o amor que sentimos pelos nosso animais pode ser tão forte como o que sentimos pela família ou pelos nossos amigos.

A carta que escreveu depressa se espalhou nas redes sociais e muitos têm estado a elogiar a forma como algumas pessoas cuidam e se preocupam com os seus animais.

“Meu lourinho adorado, não sei onde estás. A tua irmã humana imagina-te num sofá mais-que-confortável, em casa de um senhora velhinha chamada Conceição, que te recolheu quando fugiste de casa e te enche de mimos e latinhas gourmet e Catisfactions de salmão, os teus favoritos. Eu quero tanto acreditar na Conceição. Fecho os olhos várias vezes ao dia e tento imaginar-te ainda mais pançudolas a olhar para mim com os teus olhos dourados muito abertos a dizer está tudo bem mãe, com a voz de bebé que imaginámos teres. Mas depois tenho de fugir com as ideias para outro sítio, porque dói. Terrível e absolutamente. Dói. Desde aquela noite de sexta-feira mudou tudo”, começou por escrever.

“O meu coração não se partiu romanticamente em mil pedaços cristalinos. Isso é nos idílicos contos de fadas, e a vida não se sente assim. O meu coração ficou completamente esmagado. Nos primeiros minutos, quando dei pela tua ausência, corri a casa histericamente a repetir o teu nome, corri para a rua e a correr também fiz todas as ruas à volta de casa desesperada, a procurar-te, parecia mover-me por sobrevivência. Sou tua mãe e precisava de te encontrar. E quando parei, escorreguei mesmo por uma parede e senti: estava todo esmagado contra as minhas costas, e eu só repetia até ao expoente máximo da incapacidade de respirar o meu bebé, o meu Benny, eu nunca mais vou ver o Benny, Benny, Benny, o meu lourinho, e depois levantava-me com uma lanterna de pilhas e ia calcorrear as mesmas ruas, pôr-me de joelhos para te procurar debaixo dos mesmos carros onde a Nonô e eu já tínhamos procurado e chamado por ti. Não desisti, mas tive de parar por umas horas”, acrescentou.

Para ler na íntegra, veja aqui.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×