21/8/17
 
 
Pedro Braz Teixeira 13/06/2015
Pedro Brás Teixeira

opiniao@newsplex.pt

Escapismo na política

Será que uma teoria política baseada na dificuldade em lidar com a realidade pode ser um bom guia para intervir sobre a realidade?

Pedro Luzes, um dos introdutores da psicanálise em Portugal, publicou em 2001 uma biografia de Eça de Queiroz (Sob o manto diáfano do realismo. Psicanálise de Eça de Queirós). Nela cita Marthe Robert que, em Roman des origines et origines du roman (1972), vê nos “romances das origens” a origem do romance. Haveria dois romances das origens: 1) o da criança abandonada ou enjeitada, que duvida de ambos os pais; 2) o da criança ilegítima, que não duvida da mãe, mas só do pai. 

No primeiro caso, temos: “Defoe conta a história de Robinson Crusoe, que rejeitando os pais foge de casa, para na sua ilha se tornar o solitário absoluto, o órfão absoluto capaz de refazer a sua vida, de renascer, das suas ‘obras’, sem auxílio de ninguém.”

“Aquele que é levado a rejeitar pai e mãe, ao virar-se para o romance (como autor? como leitor?) para tornar aceitável uma vida impossível é muitas vezes levado a criar uma vida nova, diferente, para si, para os seus progenitores, para a sociedade em que vive. Não há aqui compromisso possível.” Este tipo de autor tem uma grande dificuldade em lidar com a realidade, tende para o escapismo, o fantástico. 

O segundo tipo de autor, a criança ilegítima, “parece já ter aprendido acerca das “realidades” do nascimento”. “A história da criança ‘bastarda’ (…) conduz ao romance realista em que o bastardo luta contra a sociedade patriarcal, contra a ‘lei do pai’” para impor o seu valor (…). Há aqui um compromisso entre as realidades sociais e o desejo.” (pp. 21-22).

Eça de Queiroz, apesar de ser do primeiro tipo, “deu a volta”, embora muitos dos seus protagonistas sejam órfãos, como ele se sentia. A quem estiver interessado em seguir as implicações literárias disto recomendo a leitura das primeiras páginas do livro citado.

O que me interessa é discutir um pouco as implicações políticas desta análise. Julgo que poucos terão dificuldades em identificar estes dois tipos de figuras na política. Por um lado, os políticos que, tendo uma predisposição contra a ordem estabelecida, não desdenham em lutar para conquistar o poder, ainda que se sintam mais à-vontade quando estão na oposição do que quando estão no governo. Uma vez ocupado o poder, têm por vezes dificuldade em usar a autoridade do Estado de uma forma eficaz e tendem a ser mais irresponsáveis, sobretudo em termos financeiros. Dispenso-me de dar exemplos, já que todos terão dificuldade em os identificar.

Por outro lado, temos os políticos que falam de utopias delirantes e que se recusam a fazer parte do poder. Com base nisto, penso que é legítimo questionar sobre se alguns dos idealismos políticos não terão eles também na sua origem uma figura enjeitada, cuja principal característica não é este sofrimento inicial, mas sim a sua dificuldade em lidar com a realidade. Será que uma teoria política baseada na dificuldade em lidar com a realidade pode ser um bom guia para intervir sobre a realidade?

Uma utopia que desrespeita a lei da gravidade não é um “sonho que comanda a vida”, é uma alienação da realidade em que o próprio é o primeiro a ser enganado e ilude mais muitos outros.

O Syriza parece estar claramente neste segundo grupo e a sua ascensão ao poder foi quase contra-natura. Mas nota-se – de forma claríssima – a sua incapacidade para lidar com a realidade, pela forma incompreensível como têm gerido as negociações com os seus credores, quando o país está à beira do abismo.

Há também, julgo que em ambos estes grupos, os políticos do protesto, que vêm problemas em todo o lado e bloqueiam toda e qualquer solução, porque isso os deixaria sem motivos para se indignarem. 

O turismo é das coisas que tem funcionado bem em Portugal e que está com crescente apreciação internacional. Pois já surgiu um grupo de “protestadores” contra o turismo, como se nos pudéssemos dar ao luxo de dispensar todas as receitas e empregos gerados neste sector.

Investigador do Nova Finance Center, Nova School of Business and Economics
As opiniões expressas no texto são da exclusiva responsabilidade do autor 
Escreve ao sábado

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×