Hungria diz que sanções energéticas contra Moscovo são um ataque à soberania

Hungria diz que sanções energéticas contra Moscovo são um ataque à soberania


O ministro dos Negócios Estrangeiros, Péter Szijjártó, disse que tais medidas são “um ataque” à “soberania nacional” da Hungria, relembrando que o seu país importa da Rússia 72% do petróleo e 64% do gás que consome. 


A Hungria defendeu, esta quinta-feira, que as sanções aplicadas contra Moscovo pela invasão da Ucrânia são um ataque à soberania húngara. 

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Péter Szijjártó, disse que tais medidas são “um ataque” à “soberania nacional” da Hungria, relembrando que o seu país importa da Rússia 72% do petróleo e 64% do gás que consome. 

O governante falava no Fórum Económico de São Petersburgo, onde acrescentou que a estabilidade do abastecimento energético é de “interesse nacional e central” para a Hungria.  

Neste sentido, o seu Governo é contra as políticas que “limitem ou comprometam” a segurança desses envios.