Ranking. Escolas públicas com os melhores resultados dos últimos 5 anos

Ranking. Escolas públicas com os melhores resultados dos últimos 5 anos


Lugar acima, lugar abaixo, todos os anos a história se repete. O ensino privado domina sem grandes obstáculos o ranking das 100 melhores escolas secundárias do país e, especialmente nos últimos anos, o olhar tinha que baixar bastante na tabela até que surgisse a primeira pública da lista. Este ano, no entanto, basta descer até…


Recorde-se que depois de vários anos à frente, em 2014 viu-se ultrapassada pela Raul Proença, das Caldas da Rainha. Além de voltar a liderar, é protagonista também de uma das subidas mais significativas, com uma escalada de vinte lugares, do 31º para o 16º. Só em 2010, o desempenho desta escola foi melhor, ano em que ocupou a 12ª posição na tabela geral do ensino secundário. Recorde-se que o ranking elaborado pelo i tem apenas em conta os agrupamentos e escolas que fizeram pelo menos um exame com 100 ou mais alunos.

A segunda escola pública a figurar na lista – A Secundária Garcia da Orta, no Porto – surge já fora do top 20 e é a Escola Secundária do Restelo, em Lisboa, a completar o pódio. Os primeiros lugares são, como habitualmente acontece, ocupados pelas privadas. O Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, lidera pelo segundo ano consecutivo, com o Colégio da Rainha Santa Isabel, em Coimbra, e o Sagrado Coração de Maria, em Lisboa, a completar o trio vencedor.

PRIVADO vs PÚBLICO Não vale a pena fazer um frente-a-frente numa luta em que o privado dificilmente perde a liderança. O único ponto de equilíbrio estará na média das duas melhores escolas, que se mantêm quase inalteradas face ao ano passado, apesar de ambas registarem uma ligeira descida nas décimas. A Secundária Nossa Senhora do Rosário passou de 14,51 em 2014 passou para 14,3 este ano e a Infanta D. Maria de Coimbra, a melhor das públicas, passou de 12,35 para 12,2.

No entanto, se quisermos continuar a fazer comparações, é possível perceber que o ensino público tem vindo a ocupar cada vez mais lugares que tradicionalmente seriam das instituições privadas. Por exemplo, no top 100 das melhores escolas deste ano, 68 são públicas.

Ao reduzir a extensa tabela apenas às escolas que tiveram uma média positiva nos exames, ficamos apenas com 196 das 349. Esmiuçando uma vez mais as diferenças entre privado e público, damos o primeiro prémio ao ensino público, com 161 escolas a ocupar a lista das notas positivas, face às 35 instituições privadas que ajudam a compor a tabela das notas acima de 9,5.

Ensino básico E o vencedor nos 2.º e 3.º ciclos é a Escola Básica do Patronato Nuno Álvares Pereira, no distrito de Viseu, seguido do Novo Colégio de Valongo e da Nova Escola João de Deus Ramos em Lisboa . O pódio está ocupado pelo ensino privado, mas neste campeonato não é preciso descer muito para descobrir um exemplar do ensino pública. A básica de Agrolongo, em Guimarães, faz as horas da casa. E logo a seguir surge outra: a básica de Salgueiro no Fundão.

Neste ranking dos 100 agrupamentos com as melhores classificações, a escola pública consegue obter 37 entradas e é o distrito de Braga que mais contribui para o ensino público fazer boa figura com uma dezena de escolas ou agrupamentos representados nesta tabela que inclui apenas os estabelecimentos de ensino com 100 ou mais alunos inscritos em pelo menos um dos exames nacionais.

No ranking do 1.º ciclo é o Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga, que abre as hostilidades. O segundo lugar pertence à Escola Básica de São João de Deus, em Lisboa, e o terceiro ao Colégio Salesiano Oficinas de S. José, também no distrito de Lisboa.

Aqui é o distrito de Lisboa que melhor representa o ensino público: a começar pela São João de Deus que ocupa o 2.º lugar, no ranking geral, a continuar pela Escola Básica n.º 2 de Massamá, em Sintra, que ocupa a 14.º posição, seguido da Escola Básica de Paredes, em Alenquer e da Escola Básica de Miraflores, em Algés. Lisboa também está representado pela Escola Básica n.º 1 da Venda do Pinheiro e pela Escola da Ericeira, ambas localizadas no concelho de Mafra. Esta tabela, contudo, fica apenas reduzida a 37 lugares usando o critério dos 100 ou mais exames. Daí que no quadro ao lado se tenha optado por incluir as escolas que fizeram 50 ou mais exames nacionais.