TAP. Os (outros) números e a perspectiva do governo

TAP. Os (outros) números e a perspectiva do governo


A venda da TAP ao consórcio Gateway permite a entrada de “no mínimo” 354 milhões de euros, valor que, consoante o desempenho da transportadora, pode chegar aos 488 milhões de euros, revelou o governo.


O valor da transacção é "medido pela capitalização, pelo preço pago por acções e pela opção de compra e venda", sendo que "não é possível antecipar nesta fase o valor recebido daqui a dois anos" pelo Estado com a privatização da TAP, explicou a secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco.

{relacionados}

A governante falava em conferência de imprensa realizada no final da reunião semanal Conselho de Ministros.

Na mesma conferência de imprensa, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro reconheceu que o valor de "encaixe" para o Estado com o negócio é "reduzido" mas "importante", sendo que a aposta no caderno de encargos sinalizava de antemão que havia um foco importante na capitalização da empresa.

O Governo decidiu hoje vender o grupo TAP, dono da transportadora aérea nacional, ao consórcio Gateway, do empresário norte-americano e brasileiro David Neeleman e do empresário português Humberto Pedrosa, rejeitando pela segunda vez a proposta de Germán Efromovich.

Lusa