Equador. A terceira vez num Mundial com Chucho Benítez no pensamento


No dia 26 de Março deste ano, o Equador goleou o Paraguai por 4-1 na caminhada para o Mundial-2014 e Christian Chucho Benítez marcou o seu último golo pela selecção. O avançado morreu aos 27 anos vítima de paragem cardíaca, no Qatar. Benítez esteve na segunda e última participação dos equatorianos em fases finais de…


No dia 26 de Março deste ano, o Equador goleou o Paraguai por 4-1 na caminhada para o Mundial-2014 e Christian Chucho Benítez marcou o seu último golo pela selecção. O avançado morreu aos 27 anos vítima de paragem cardíaca, no Qatar. Benítez esteve na segunda e última participação dos equatorianos em fases finais de Campeonatos do Mundo no Alemanha-2006, onde jogou apenas 45″, precisamente contra a equipa da casa (0-3). O atleta que chegou a estar associado a clubes como Sporting e Tottenham jogou 58 vezes com a camisola do seu país e marcou 24 golos. A camisola com o número 11 foi retirada e não deverá voltar a ser usada – veremos como decidirá a FIFA na fase final.

A vitória com o Uruguai há seis dias (1-0) já prometia um final feliz na qualificação para o Mundial e nem a derrota com o Chile (1-2) na madrugada de ontem colocou em causa o sonho. A longa caminhada começou em Outubro de 2011 com uma vitória com a Venezuela (2-0, Ayoví e Chucho Benítez) e terminou ontem. Os 25 pontos amealhados, resultado de sete vitórias e quatro empates, foram suficientes para garantir o quarto lugar e empurrar o Uruguai para o playoff. Melhor desempenho que o dos equatorianos só os da Argentina (32 pontos), Colômbia (30) e Chile (28). A maior vitória foi a que já mencionámos no início contra o Paraguai, enquanto a derrota mais pesada foi com a Argentina (4-0: Agüero, Higuaín, Messi e Di María).

A grande referência da equipa é Antonio Valencia, o médio direito do Manchester United e pessoa muito chegada a Chucho Benítez. Depois há Jefferson Montero que joga actualmente nos mexicanos do Morelia, mas que conta com passagens por Villarreal, Levante e Betis. Finalmente, há Michael Jackson Quiñonéz (okay, só dissemos por causa do nome) e Felipe Caicedo, o avançado ex-Sporting que ganhou vida no Levante e Lokomotiv Moscovo. O treinador é o colombiano Reinaldo Rivera, um homem que voltou a levar as Honduras a um Mundial (2010) depois de se terem estreado nessas andanças no Espanha-82 – ficaram-se pela fase de grupos em ambos.

coreia e japão-2002, o Equador estava inserido no Grupo G juntamente com México, Itália e Croácia. No desfecho adivinhava-se um regresso a casa precoce, algo que se confirmou, mas ainda assim surpreenderam ao derrotar os croatas por 1-0, com um golo de Édison Méndez; na derrota com os italianos, Vieri foi o carrasco e bisou (0-2), enquanto Borgetti e Torrado marcaram pelos mexicanos no 1-2. O onze que começou a competição foi: José Cevallos, Poroso, Hurtado, De La Cruz, Guerrón, Obregón, Aguinaga, Chalá, Édison Méndez, Edwin Tenorio e Delgado.

ALEMANHA-2006 Neste Mundial o desempenho foi bem mais satisfatório: duas vitórias (2-0, Polónia; 3-0, Costa Rica) e uma derrota com a Alemanha (0-3) permitiram a passagem aos oitavos-de-final. O adversário era a Inglaterra de Sven-Göran Eriksson que, apesar de contar com Gerrard, Lampard, Joe Cole e Rooney, apenas conseguiu marcar um golo e de livre directo. Por quem? David Beckham, pois claro. O onze equatoriano que começou em 2006 foi: Mora, Hurtado, De la Cruz, Espinoza, Reasco, Édison Méndez, Castillo, Luis Valencia, Edwin Tenorio, Delgado e Carlos Tenorio.