26/6/19
 
 
Street Food. As roulottes estacionaram nos jardins do Casino Estoril. O i mostra-lhe as 11 melhores

Street Food. As roulottes estacionaram nos jardins do Casino Estoril. O i mostra-lhe as 11 melhores

01/04/2015 00:00
0
A partir de hoje e até 12 de Abril pode esquecer a faca e o garfo. Nos jardins do Casino do Estoril, na primeira edição do Street Food European Festival, come-se à mão e é provável que se vá sujar. Difícil vai ser escolher o que comer. São mais de 50 veículos de negócios de street food nacionais e internacionais. A entrada é livre, só paga o que come, o melhor negócio que se pode ter. Nestas páginas deixamos-lhe algumas sugestões para picar, mas é livre de fazer o seu roteiro.Já agora, conheça uma das empresas especializadas em transformar veículos para vender iguarias estrada fora: pode ser que se entusiasme
 
Entre-os-pães e uma carrinha

Já se sabe que as hamburguerias estão longe de sair de moda e o Bun’s é mais um bom exemplo disso. O “ateliê do hambúrguer”, assim se define, funciona habitualmente na Rua Brancaamp, em Lisboa. Experimente, por exemplo, o rústico, com queijo de São Jorge, cogumelos salteados com tomilho e alho, alface fresca, chutney de cebola e molho com tomilho. Mas há mais.
 
Duas rodas a servir copos ao natural
 
Sumo de laranja natural, limonada, chás biológicos, café. Tudo simples, sem artifícios... mas não só, que o público é exigente. As bebidas podem ser personalizadas e levar o topping que bem lhe apetecer. O negócio numa bicicleta começou na estação de metro da Baixa/Chiado e pedalou até mais longe. Os sumos e as limonadas rondam normalmente os 1,5 euros.
 
Clássicos do sítio certo

É um dos veículos que percorreram mais quilómetros até aqui chegar e só por isso merece alguma atenção especial (treinar algo como “bem-vindos” em italiano, ou outra expressão semelhante). De Itália, o Mozao promete servir especialidades italianas vindas de Roma. Aqui tudo se come no pão, já agora um pão tipicamente italiano, com vários recheios, outra coisa não seria de esperar. É ir treinando o sotaque para fazer os pedidos. Se não conseguir, aponte, também costuma resultar.

A cafeína acelera

O nome diz tudo. Vruum implica movimento e esta pequena cafetaria promete andar por toda a parte. No European Street Food Festival é só procurar a mota amarela. Além de cafés, vende doces tradicionais da região de Coimbra e de Montemor-o-Velho, onde começou o negócio.

Cachorro de rua e com variantes

A roulotte de cachorros começou a andar em 2013. Desde então tem estado presente em várias festas e festivais e o destaque principal é para o cachorro de francesinha. Se isto lhe soa a demasiada gordura, a empresa explica que todos os produtos obedecem a um “processo de selecção rigoroso e abrangente, sem fumos, sem gorduras nem maus odores”.
 
Um petisco que até brilha
 
Os cachorros da Drop dão duas razões para uma visita (ou pelo menos duas, vá): a primeira, a dita comida, que fica sempre bem e nunca atraiçoa ninguém; a segunda é que tudo isto acontece a bordo de uma airstreamer, roulotte que brilha e pode até servir de espelho,
se for caso disso.

O vegetariano que veio de longe

O nome explica parte do que aqui se passa: Fresh Rootz é uma roulotte que serve comida vegetariana e que tem ganho uns quantos prémios pela categoria e pela classe com que o faz. Atenção que esta rapaziada vem de longe. O mais habitual é que estacionem a carroçaria na zona de Coventry, perto de Birmingham e a caminho de Sheffield. Que é como quem diz em Inglaterra. Mas os miúdos estão bem e por isso vieram por aí abaixo. É passar por lá e atirar um “cheers”.

Pequena mas com tudo no lugar

Bolos e bolinhos, dos mais típicos que se podem provar, mais o café, que é a melhor companhia que tudo isto pede. E tudo isto faz-se de queijadas e travesseiros e pastéis de nata e mais umas quantas maravilhas. É uma das presenças habituais das ruas do centro de Lisboa e tem feito muitos fãs pelo caminho.

Donuts? Que ninguém se atreva a dizer isso

A carrinha tem registo de 1974 e merece atenção. É uma Citroën H e todos gostaríamos de ter uma, até os que ainda não descobriram. Lá dentro há bagels, aquela delícia que foi da Polónia para os EUA para o resto do mundo.São de vários tipos e podem apresentar diferentes recheios, tudo ao gosto do freguês (das melhores frases que se pode ouvir, certo?). E nada de chamar a isto donuts, isso é quase um sacrilégio.

Mais um fado e mais um copinho 

Queijos e enchidos e vinho e café e fado. Vai tudo junto e vai sempre tudo muito bem. Saca o saca--rolhas, abre o garrafão e seguimos como dizia a música. Esta tasca itinerante costuma estar perto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, e é habitual picar qualquer coisa enquanto vemos e ouvimos fados ao vivo. Se isso vai acontecer no Estoril? Pois é melhor ir e descobrir.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×